Estudante de Odontologia é detida por exercício ilegal da profissão

A suspeita atendia pacientes para cirurgias e procedimentos como buchectomia, diastemia e clareamento,

Secretaria de defesa social. Caso estudante de OndontoSecretaria de defesa social. Caso estudante de Ondonto - Foto: José Britto / Folha de Pernambuco

Com a formatura marcada para este ano, a estudante de odontologia Dayane dos Anjos Batista foi detida em flagrante por exercer a profissão ilegalmente. O exercício da odontologia estava sendo realizado, de forma irregular, há dois meses em um consultório localizado entre o bairro do Derby e Conde da Boa Vista.

Sem o registro no Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco (CRO-PE), ela atendia pacientes para cirurgias e procedimentos como buchectomia, diastemia e clareamento, que eram divulgados em suas redes sociais. A Uninassau, universidade onde a estudante estava concluindo o curso, abriu um procedimento administrativo para apurar a prática ilegal. O caso será investigado pela Delegacia de Santo Amaro.

O CRO-PE recebeu a denúncia de atividade de forma anônima e agiu em conjunto com a Polícia Civil para conferir a informação. O chefe de fiscalização do CRO-PE , Vitor Souto Maior, explicou a ação do conselho. "Para exercer a profissão você tem não só que concluir a declaração, mas se inscrever no conselho, que age para proteger a sociedade contra esse tipo de risco", contou. Para ter certeza de estar sendo atendido por um profissional da odontologia, o paciente pode pedir para ver a carteira do conselho ou o número, que possibilita a averiguação no site oficial do CRO-PE. Para denúncias, o whatsapp do conselho é o (81) 98835-1214.

Leia também:
Justiça proíbe dentistas de aplicar botox em pacientes
Saúde bucal em crise nas USFs 


O delegado Brejo Varejão explicou que a detida irá responder por um crime previsto no artigo 282 do Código Penal. "Ela vai responder por um crime de menor potencial ofensivo, motivo pelo qual ela não é presa, assina apenas um termo de compromisso para comparecer em juízo", esclareceu. Na universidade, a estudante corre risco de penalidade e até expulsão, após a apuração do que estava sendo realizado, informou a Uninassau. 

Veja também

Cientistas descobrem nova espécie de perereca-de-bromélia na Bahia
Natureza

Cientistas descobrem nova espécie de perereca-de-bromélia na Bahia

Com saúde básica, cidades do Brasil conseguem frear novo coronavírus
Covid-19

Com saúde básica, cidades do Brasil conseguem frear novo coronavírus