'Eu não vou falar com ele', diz Bolsonaro sobre diretor do Inpe

Para o presidente Jair Bolsonaro, a questão ambiental no exterior é uma 'verdadeira psicose'

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Mauro Pimentel / AFP

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar neste domingo (21) o diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), Ricardo Galvão, e disse que não falará com ele. Na chegada a um restaurante da capital federal, ele afirmou que escalará um ministro para tratar com o servidor sobre os dados de desmatamento que, segundo ele, não condizem com a verdade.

O presidente ressaltou que sua administração não quer fazer uma "propaganda negativa do Brasil", já que isso prejudica a imagem do país no exterior. "Eu não vou falar com ele. Quem vai falar com ele vai ser o ministro Marcos Pontes (Ciências) e talvez também ali o Ricardo Salles (Meio Ambiente). O que nós não queremos é uma propaganda negativa do Brasil. A gente não quer fugir da verdade, mas aqueles dados pareceram muito com os do ano passado", disse.

Leia também
Salles critica Inpe e quer contratar empresa para monitorar Amazônia
Desmatamento na Amazônia sobe 24% em 2015, mostram dados do Inpe

Para ele, a questão ambiental no exterior é uma "verdadeira psicose" e, em uma referência ao diretor, disse que não é justo que um brasileiro faça uma campanha contra o país. "Se o dado fosse alarmante, ele deveria, por questão de responsabilidade e patriotismo, procurar o chefe imediato, no caso o ministro", disse. "E não de forma rasa como ele faz, simplesmente coloca o Brasil numa situação complicada", acrescentou.

Os dados preliminares de satélites do Inpe mostram que mais de 1.000 km² de floresta amazônica foram derrubados na primeira quinzena deste mês, aumento de 68% em relação a julho de 2018. O presidente afirmou que os dados do Inpe não correspondiam à verdade e sugeriu que Galvão poderia estar a "serviço de alguma ONG."

Após o almoço, na chegada ao Palácio do Alvorada, Bolsonaro disse que enviará um projeto de lei ao Congresso Nacional para legalizar a atividade do garimpo no país. Ele, no entanto, não deu maiores detalhes."O garimpeiro é um cidadão que merece respeito, consideração, e obviamente a gente vai casar a exploração com a questão ambiental e botar um ponto final no mercúrio", disse.

Veja também

Pazuello lamenta mortes por covid- 19 e destaca necessidade de acompanhamento médico
Coronavírus

Pazuello lamenta mortes por covid- 19 e destaca necessidade de acompanhamento médico

Mais de 3 milhões de brasileiros infectados pelo novo coronavírus
Coronavírus

Mais de 3 milhões de brasileiros infectados pelo novo coronavírus