Feminicídio e cultura do machismo: um debate necessário

Números gritantes de crimes ligados ao assunto no Estado exigem discussão

Violência contra a mulherViolência contra a mulher - Foto: Leo Motta/Folha de Pernambuco

 

A cada quatro horas, um estupro é registrado em Pernambuco. Foram 497 de janeiro a março deste ano. No ano passado, quase uma mulher por dia foi assassinada. Trezentos e cin­quenta, ao todo. Por trás dos números se descortina a cultura do machismo, em que o homem se nega a enxergar que à mulher se estendem os mesmos direitos dos quais goza. A essência desses crimes é debatida nesta quarta-feira (19), às 10h, na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), em Casa Forte, Zona Norte do Recife.
Apesar de reconhecer o momento oportuno para o debate, a mediadora do evento, a doutora em sociologia Cristina Buarque acredita que o problema não pode ser discutido apenas em momentos de crise, como o atual. “A morte de uma mulher, que seja, motivada por essa cultura, já é inadmissível. Por isso, tem que se falar sempre. Mas, não está se discutindo nas escolas ou nos sindicatos, por exemplo”, avaliou a pesquisadora da Fundaj.
“Só com um papel ativo da mídia, do governo, o problema pode ser enfrentado. Que eles se preocupem com a estrutura, não com consequências imediatas. Uma cultura patriarcal estimula um comportamento masculino incompatível com a realidade. Ela precisa ser modificada com educação que traga de perspectiva de igualdade para homens, mulheres, heterossexuais e homos­sexuais”, opinou.

Ainda segundo ela, delegacias e secretarias da mulher são outros fronts de batalha imprescindíveis. “Já temos leis claras, mas precisamos que sejam cumpridas”, afirmou a ex-secretária da Mulher do Estado.
Para o público, Joana Pires, do coletivo Deixa Ela em Paz, pretende contextualizar o machismo no debate. Ressalta a importância da compreensão das raízes dos acontecimentos recentes que chocaram a população. “Fisioterapeuta em Boa Viagem, uma personal trainer no Janga. A Eliane em Ipojuca. São consequências que enxergamos, mas que precisam ser compreendidas na essência.” Também participam do evento a secretária da Mulher de Pernambuco, Sílvia Cordeiro, e a socióloga Ana Portella.
Essa não é a primeira vez que a Fundaj se apresenta contra a cultura do machismo. Há pouco mais de dois anos, promoveu um seminário internacional como parte da campanha mundial 16 dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres, e lembrou o assassinato das três irmãs Mirabal, mortas nas década de 1960 na República Dominicana.

Mais voz
A Campanha “Contra o Machismo e Contra o Feminicídio” será lançada hoje pela Tempus Comunicação. De acordo com o diretor da empresa, Cleonildo Cruz, o trabalho de conscientização será realizado principalmente por meios das redes sociais, e deve durar o ano inteiro com o intuito de chegar ao interior. “Realizamos um vídeo para chamar à atenção para o assunto, porque não dá mais para aceitar mortes por causa de machismo.”

Gabriela Santiago
A personal trainer foi morta covardemente na noite do dia 16 de fevereiro no Janga, em Paulista. A mulher havia recebido uma ligação, dentro do ônibus, de um ex-namorado. Após descer do coletivo, ela teria sido surpreendida por ele. A jovem foi morta com dois tiros na cabeça. O crime ainda não foi solucionado.

Alice Seabra
Foi espancada, estuprada e assassinada em 19 de junho de 2015 pelo próprio padrasto, o auxiliar de pedreiro Gildo da Silva Xavier, 34 anos. Com o pretexto de levá-la para uma entrevista de emprego, conseguiu colocá-la no carro e, mais tarde, a obrigou a tomar Rupinol, o popular “boa noite, Cinderela”.

Mirella Sena de Araújo
A fisioterapeuta de 28 anos foi encontrada morta no seu flat em Boa Viagem. O assassino, o comerciante Edvan Luiz da Silva, de 32 anos, era vizinho da vítima e tentou estuprá-la depois de chegar de uma noitada. Os vizinhos escutaram os gritos da vítima, que tentou reagir, e chamaram a polícia. Os cabelos de Edvan foram encontrados na mão dela.

Bruna e Taiane
As duas jovens de 19 anos foram estupradas e mortas em setembro do ano passado quando iam ao trabalho em Petrolina por um desconhecido de 38 anos. Os corpos foram encontrados sem roupa a cem metros de distância da pista que costumavam caminhar todos os dias. Estavam amarrados com as próprias roupas e perfurações no pescoço.

Sandra Lúcia
A professora de 57 anos e o seu filho, de 8, foram assassinados em 17 de fevereiro de 2012. Ambos foram esfaqueados pelo companheiro de Sandra, Marco Aurélio, de 23 anos. Eles estavam namorando há quatro meses e o crime ocorreu quando voltaram de um bloco de carnaval. Marcos matou o menino por tentar proteger a mãe.

 

Veja também

Dependência econômica faz Planalto apostar em relação pragmática com Arce na Bolívia
governo

Dependência econômica faz Planalto apostar em relação pragmática com Arce na Bolívia

Morre no Rio, aos 104 anos, o policial mais antigo da Polícia Militar
luto

Morre no Rio, aos 104 anos, o policial mais antigo da Polícia Militar