Força Nacional reforçará segurança pública de Paulista a partir de julho

Cidade da Região Metropolitana do Recife receberá projeto-piloto do Programa Nacional de Enfrentamento à Criminalidade Violenta

Coletiva de imprensa no Recife anunciou o projeto-pilotoColetiva de imprensa no Recife anunciou o projeto-piloto - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

A cidade de Paulista, na Região Metropolitana do Recife (RMR), receberá o projeto-piloto interministerial do Programa Nacional de Enfrentamento à Criminalidade Violenta. Pelo menos 100 agentes da Força Nacional, além de equipes das Polícias Federal e Rodoviária Federal, estarão nas ruas da cidade para reforçar a segurança pública a partir de 1º de julho.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira (28) pelo secretário nacional de Segurança Pública, o general Guilherme Teófilo, que participou de reunião, no Recife, com o governador Paulo Câmara, o secretário estadual de Defesa Social Antônio de Pádua e o prefeito de Paulista Júnior Matuto.

Leia também:
Pernambuco tem a maior redução de homicídios desde a criação do Pacto Pela Vida
Pernambuco registra 305 homicídios em janeiro de 2019

Uma cidade em cada região do Brasil foi definida pelo Governo Federal para receber o projeto-piloto. O presidente Jair Bolsonaro deverá anunciar as demais cidades escolhidas em breve. O general Teófilo explicou que os motivos que contribuíram para que Paulista fosse a cidade escolhida no Nordeste. “O governador, o secretário de segurança e o prefeito apoiaram [o projeto] e estão dispostos a esse esforço que será traduzido na sensação de segurança que queremos implantar em todo o País”. 

Em junho, equipes dos ministérios envolvidos no programa começarão a estudar as diretrizes que serão aplicadas pelo programa em Paulista. "As equipes não ficarão apenas na parte de segurança e vão checar o que foi que houve para reduzir a criminalidade. Foi a escola em tempo integral? Foi a creche? Foi o saneamento? Foi a iluminação pública? Tudo isso está no pacote para que o País, que é reduto da criminalidade, possa sair dessa situação", acrescentou. 

O secretário Antônio de Pádua afirmou que o Pacto pela Vida foi usado como modelo pelo Governo Federal para o desenho do programa nacional. “Paulista foi escolhida porque vem apresentando reduções expressivas nos crimes contra o patrimônio e contra a vida, em razão de trabalhos das forças estaduais”, afirmou.  Cada ente do Poder Público tem uma atividade específica a ser realizada, ainda de acordo com Pádua. “O município com suas guardas municipais através da prevenção; o Governo do Estado através de suas forças de segurança fazendo o trabalho ostensivo, preventivo e investigativo; e o Governo Federal ajudando a coordenar e reforçando com recursos públicos todas essas atividades”.

O prefeito de Paulista Júnior Matuto comemorou a escolha da cidade para o projeto. “Esperamos consolidar a sensação de segurança no município”, afirmou. “Não adianta a gente ter a ação corretiva e não ter a preventiva, que é a de inclusão, pois sabemos que, na maioria das vezes, a violência está nos bolsões de pobreza onde as pessoas carecem de espaços de convivência, de infraestrutura e de tantas outras ações”, finalizou o gestor.

Segundo dados da Secretaria de Defesa Social (SDS), Paulista registrou 127 homicídios em 2018, 69 a menos em relação a 2017 – uma queda de 43% nos índices.

Veja também

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"
Coronavírus

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres
Equidade

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres