Furacão Dorian avança para EUA depois de provocar devastação nas Bahamas

Às 9H00 GMT (6H00 de Brasília), Dorian avançava no sentido norte-noroeste a 13 km por hora, com ventos de até 165 km/h

Imagem de satélite capturou imagens do furacão DorianImagem de satélite capturou imagens do furacão Dorian - Foto: NOAA / NOAA/RAMMB / AFP

O furacão Dorian avançava lentamente nesta quarta-feira (4) em direção à costa sudeste dos Estados Unidos como uma tempestade perigosa de categoria 2, depois de provocar sete mortes e deixar um rastro de destruição nas Bahamas.

O primeiro-ministro do arquipélago do Caribe, Hubert Minnis, informou à imprensa que até o momento foram registradas sete mortes. O chefe de Governo advertiu que o número de vítimas pode aumentar e classificou Dorian como "uma das maiores crises na história de nosso país".

Leia também:
Furacão Dorian: EUA ordenam que 1 milhão de pessoas deixem suas casas
Furacão Dorian enfraquece e passa à categoria 3

O Centro Nacional de Furacões (NHC) americano, com sede em Miami, informou que o "centro da tempestade avançará perigosamente para a costa leste da Flórida e a costa da Geórgia na quarta-feira à noite".

Às 9H00 GMT (6H00 de Brasília), Dorian avançava no sentido norte-noroeste a 13 km por hora, com ventos de até 165 km/h, segundo o NHC. Imagens aéreas da ilha Grande Ábaco, nas Bahamas, exibidas pela CNN mostram cenas de danos catastróficos, com centenas de casas sem teto, carros virados, enormes inundações e escombros por todos os lados.

"Partes de Ábaco estão dizimadas. Há grandes inundações, danos severos às casas, comércios e outros edifícios e infraestruturas", disse Minnis. "Os habitantes das Bahamas suportaram horas e dias de terror, temendo por suas vidas e as de seus entes queridos", completou.

"Esta é uma crise de proporções épicas, talvez a pior que já vivemos", disse o ministro do Interior, Marvin Dames. A Guarda Costeira dos Estados Unidos enviou helicópteros MH-60 Jayhawk à ilha Andros, no sul do arquipélago, para ajudar com as tarefas de busca e resgate, enquanto os moradores presos em suas casas inundadas faziam chamados desesperados.

Mas as pistas do Aeroporto Internacional de Grand Bahama, em Freeport, estavam debaixo d'água, complicando os esforços de resgate. O site Bahamas Press publicou um vídeo da inundação do Rand Memorial Hospital de Freeport, e disse que os pacientes tiveram que ser evacuados.

Yasmin Rigby, moradora de Freeport, disse à AFP que "a maior parte da ilha permanece inundada". A chuva continua, assim como as rajadas de vento. "Quem puder me ajudar, sou Kendra Williams. Vivo em Heritage. Estamos debaixo d'água; estamos no telhado", escreveu uma residente de Grand Bahama, em um SMS ao qual a AFP teve acesso.

"Alguém pode por favor nos ajudar (...) Eu e meus seis netos e meu filho estamos no telhado", acrescentou. Segundo um primeiro boletim da Cruz Vermelha, cerca de 13.000 casas podem ter sido danificadas ou destruídas, e o furacão causou "danos consideráveis" nas ilhas Ábaco e Grande Bahama.

Pelo menos 61.000 pessoas estariam precisando de ajuda alimentar nas Bahamas, estimou a ONU nesta terça, que se prepara para enviar duas equipes de avaliação.

Veja também

Trump deve votar na Flórida no sábado, diz Casa Branca
eua

Trump deve votar na Flórida no sábado, diz Casa Branca

Com nova alta de contágios, Europa revive confinamento e tem toque de recolher
Coronavírus

Com nova alta de contágios, Europa revive confinamento e tem toque de recolher