Homem faz passageiros de ônibus reféns na ponte Rio-Niterói

Duas passageiras foram liberadas, mas o motorista e outros passageiros continuam dentro do veículo

Sequestro de ônibus na ponte Rio-NiteróiSequestro de ônibus na ponte Rio-Niterói - Foto: Reprodução / TV Globo

Passageiros de um ônibus estão neste momento sendo feitos reféns na Ponte Rio-Niterói. A ocorrência policial interdita a pista no sentido Rio, obrigando motoristas que se dirigiam para o Rio a voltar.

Segundo as primeiras informações, por volta das 6h um homem armado que estava dentro do ônibus obrigou o motorista a atravessar o coletivo na pista, na altura do vão central. O ônibus sequestrado é da Empresa Galo Branco, Linha 2520, que faz o trajeto Jardim Alcântara, em São Gonçalo, até o Estácio, no centro da capital.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o sequestrador teria se identificado como policial militar e teria dito que estava com gasolina, ameaçando incendiar o coletivo. O porta-voz da PM do Rio de Janeiro, Mauro Fliess, disse que há indícios de que a ação foi premeditada e que sua identidade não está confirmada.

Após quase 2h30 de negociações, o suspeito já libertou seis reféns: quatro homens e duas mulheres. Ao ser resgatada, uma das vítimas desmaiou no asfalto. Segundo a polícia, apesar do choque emocional, todos os passageiros libertados passam bem. Para a Polícia Rodoviária Federal, ao menos 18 passageiros ainda estão dentro do ônibus.

A Ponte Rio-Niterói fica na BR-101, uma via de jurisdição federal. O cerco ao ônibus sequestrado é feito pela PRF e pela Polícia Militar. Equipes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar chegaram há pouco ao local, com especialistas em ocorrências com reféns, e devem assumir as negociações.

Veja também

Ibama diz ter R$ 19 mi em pendências e interrompe ação de brigadistas em combate a incêndios
meio ambiente

Ibama diz ter R$ 19 mi em pendências e interrompe ação de brigadistas em combate a incêndios

Barroso diz que plano de proteção a índios é 'genérico e vago' e pede novo planejamento
Coronavírus

Barroso diz que plano de proteção a índios é 'genérico e vago' e pede novo planejamento