Jovem atacada com soda cáustica registrara três BOs em menos de um mês contra ex-marido

Mayara Estefanny Araújo foi internada no Hospital da Restauração com 35% do corpo queimado

Delegada Bruna FalcãoDelegada Bruna Falcão - Foto: José Britto/Folha de Pernambuco

A jovem Mayara Estefanny Araújo, 19 anos, já tinha feito três Boletins de Ocorrência (BO) contra o ex-companheiro Willian César dos Santos Junior, de 27 anos, que jogou soda cáustica nela nesta quinta-feira (4). A informação foi repassada na noite desta sexta-feira (5) pela delegada da Mulher Bruna Falcão. Os BOs foram registrados nos dias 13 e 23 de maio e 1º de junho deste ano. A partir da primeira vez que ela foi à polícia, foi expedida a medida protetiva. Willian, que já tinha passagem pela polícia por estelionato, continua foragido e a polícia segue em diligências à procura dele.

"Depois que ela registrou o primeiro Boletim de Ocorrência a gente formulou o pedido de medidas protetivas de urgência e ele demorou um pouco para ser notificado do teor das medidas. Inclusive, segundo a própria família informou, ele se escondeu para não ser intimado das proibições que lhe foram impostas. Ele foi finalmente notificado no começo de junho. Depois da proteção conferida pelo Estado e depois de ele ter sido intimado, o primeiro episódio de violência foi ontem", detalhou a delegada.

A polícia também prendeu em flagrante Paulo Henrique Vieira dos Santos pelos crimes de lesão corporal grave e resistência relacionados à grave violência sofrida por Mayara Estefanny Araújo. Na noite de quinta-feira, segundo relatos, Paulo ajudou o ex-companheiro da vítima a jogar um produto químico (líquido) na face da ex-companheira, que foi socorrida no Hospital da Restauração. "Em depoimento, Paulo nega participação, mas uma testemunha ocular confirma que Paulo teria segurado a vítima pelas costas", afirmou a delegada.

Leia também:
Quadrilha é presa após assalto a banco no Janga 

Ainda de acordo com Bruna Falcão, Willian cometeu o crime porque estava inconformado com o fim do relacionamento com Mayara. "Ele, inclusive, já havia sido interrogado aqui na delegacia no primeiro procedimento e negava, dizendo que era porque Mayara não autorizava o acesso do filho do casal. Isso foi desmentido pela própria mãe do Willian, que afirmou que a vítima tinha uma boa relação com eles. A família tinha sempre contato com o menino", falou.

A delegada ressaltou que as mulheres não podem deixar de denunciar casos de violência. "Precisamos salientar que isso não deve ser um desestímulo para outras mulheres registrarem ocorrência e procurarem proteção porque esse fato foi um ponto fora da curva; uma exceção", disse.

A delegada explicou que o caso não está sendo tratado como feminicídio porque ainda não há indícios de que a intenção de Willian era matar Mayara. "Por enquanto, trata-se de um caso de lesão corporal grave. Se, durante as investigações, for comprovado que o suspeito pretendia realmente matar a vítima, aí, sim, teremos elementos suficiente para tratar como um feminicídio", disse.

Entenda o caso
Mayara Estefanny Araújo foi surpreendida ao ser atacada pelo ex-companheiro que arremessou soda cáustica no rosto, tórax e braços da vítima noite dessa quinta-feira (4), no bairro de Nova Descoberta, na Zona Norte do Recife.

Segundo relatos de familiares, a jovem de 19 anos estava chegando na casa da mãe após largar do trabalho quando foi surpreendida pelo homem e um amigo dele, que a segurou para lançar o produto químico. Ela foi internada em estado gravíssimo no HR.

Em nota, a Polícia Civil de Pernambuco afirmou que a Departamento de Polícia da Mulher (Depmul) está empenhada na investigação. Segundo a titular, a delegada Bruna Falcão, depoimentos, coleta de provas e diligências estão sendo conduzidos pela polícia, visando a localização e punição do autor na forma da lei.

Willian Cesar de Santos Junior deve se entregar na próxima segunda-feira (8),  A informação foi passada pela mãe do suspeito ao sair da Delegacia da Mulher, em Santo Amaro, região central da cidade, após prestar depoimento.

Amigo de Willian, o outro homem envolvido no crime, Paulo Henrique Vieira dos Santos, é suspeito de segurar a vitima para que o ex-marido jogasse o produto químico no rosto de Mayara. Paulo foi detido no fim da manhã desta sexta-feira (5), na Delegacia da Mulher, em Santo Amaro, para averiguações.

A vítima está internada em estado grave no Hospital da Restauração (HR), no Recife. Com 35% do corpo queimado, ela tem lesões no rosto, tórax e braços. Ela se encontra entubada e deve passar por cirurgia. A polícia continua em diligências à procura de Willian.

Veja também

'A volta às aulas tem sido o maior desafio do Plano de Convivência', diz André Longo
Coronavírus

'A volta às aulas tem sido o maior desafio do Plano de Convivência', diz André Longo

Indústria de reciclagem é flagrada furtando energia em Abreu e Lima
Celpe

Indústria de reciclagem é flagrada furtando energia em Abreu e Lima