Jovem que teve testa tatuada após invadir pensão é condenado a 4 anos de prisão

Caso ocorreu em 2017; sentença é por tentativa de roubo de celular em fevereiro

Ruan Rocha da Silva, em cena de vídeo gravado por homens que tatuaram a sua testaRuan Rocha da Silva, em cena de vídeo gravado por homens que tatuaram a sua testa - Foto: Reprodução

O jovem que ficou conhecido por ter sido tatuado na testa com a frase "Eu sou ladrão e vacilão" foi condenado nesta terça-feira (10) a quatro anos e oito meses de prisão em regime semiaberto. A sentença é por uma tentativa de roubo ocorrida em fevereiro deste ano.

Em 2017, na ocasião em que foi tatuado, o jovem Ruan Rocha da Silva invadiu uma pensão em São Bernardo do Campo (Grande SP) e foi flagrado por dois moradores no que seria a tentativa de roubo de uma bicicleta. Os homens o interceptaram e tatuaram a frase na testa de Ruan, então com 17 anos.

Na época o rapaz admitiu ser dependente químico -usuário de crack- e disse estar "muito bêbado". Os dois homens que o tatuaram foram presos por lesão corporal gravíssima e constrangimento ilegal. Ruan, por sua vez, foi internado em uma clínica de reabilitação e teve um tratamento estético para a remoção da tatuagem oferecido gratuitamente.

Leia também:
Presos suspeitos de assaltar ônibus na Região Metropolitana do Recife
Seguranças acusados de tortura de jovem estão presos

Na madrugada do último dia 14 de fevereiro, o jovem entrou em um posto de saúde e pegou um celular no valor de R$ 500, uma blusa de moletom e mais R$ 20,30 de uma sala dos funcionários. Foi flagrado por uma das funcionárias ao sair da sala e detido, com a ajuda de um segurança.

No boletim de ocorrência, Ruan foi identificado pelo escrivão e a delegada do 1º DP de São Bernardo como "ladrão e vacilão" no campo "vulgo". Para o advogado e conselheiro do Condepe (conselho estadual de direitos humanos), Ariel de Castro Alves, a conduta é uma violação dos agentes de segurança. "Seria uma forma até de apologia às torturas que o rapaz sofreu", diz.

Segundo depoimento de Ruan à Justiça, ele entrou no posto para se abrigar da chuva e realizou o furto porque estava sob efeito de drogas. Na sentença desta terça, a juíza Sandra Regina Nostre Marques, da 1ª vara criminal de São Bernardo, afirma que um "eventual abrandamento da pena não será suficiente para dissuadi-lo de novas investidas criminosas", e cita o seu histórico, que além do caso da tatuagem inclui um furto de desodorantes em Mairiporã (Grande SP), onde fez tratamento de reabilitação, e uma receptação quando adolescente.

Ariel de Castro Alves afirma que a Justiça "falhou em não observar que ele é um doente e comete crimes por causa da dependência de drogas". Segundo Ariel, o vício de Ruan é "público e notório", e por isso poderia ser pedido um exame pela Defensoria Pública ou pela Promotoria para comprovar a sua dependência."Ele iria para tratamento. No sistema prisional ele não vai se recuperar, muito pelo contrário", afirma. Cabe recurso à decisão da Justiça.

Veja também

Brasil registra 1.091 mortes nas últimas 24hrs
Coronavírus

Brasil registra 1.091 mortes nas últimas 24hrs

Sem máscara, Bolsonaro comemora independência dos EUA com embaixador
Bolsonaro

Sem máscara, Bolsonaro comemora independência dos EUA com embaixador