Mais idosos têm direitos violados em Pernambuco

No quesito tipo de violação, nos primeiros 59 dias de 2018, o maior número de ocorrência foram de negligência (63), violência psicológica (24) violência financeira (20) e violência física (10)

Problemas crescem à medida que aumenta população idosaProblemas crescem à medida que aumenta população idosa - Foto: Rafael Furtado

Nos dois primeiros meses deste ano, 165 denúncias sobre violação de direitos de idosos chegaram ao Centro Integrado de Atenção e Prevenção à Violência contra a Pessoa Idosa (Ciappi), ligado ao Governo de Pernambuco. Mais de 90% dos casos reportados são do Grande Recife e correspondem a quase três ocorrências por dia. Em relação ao mesmo período de 2017, o aumento de demanda chegou a 870%. O volume chamou a atenção do serviço e serve de termômetro para a situação de vulnerabilidade a que estão expostas muitas dessas pessoas.

Coordenadora do Ciappi, Sandra Jucá explicou que vários canais trazem denúncias para a articulação do centro nas medidas de intervenção. Entre as mais recentes, o Disque Direitos Humanos (Disque 100) reportou a situação de um homem de 70 anos que era maltratado pela companheira de 30 anos, que se apropriava da aposentadoria dele, de R$ 6 mil, e o deixava viver em condições subumanas. “A população idosa é crescente e, infelizmente, também é crescente a violação de direitos”, constatou.

No quesito tipo de violação, nesses primeiros 59 dias do ano o maior número de ocorrência foram de negligência (63), violência psicológica (24) violência financeira (20) e violência física (10). Maus-tratos, abandono e violência verbal também compõem a lista. “A negligência se caracteriza quando o idoso, com a perda da mobilidade e capacidades, vê suas necessidades deixadas de ser assistidas pelos familiares. Não são levados ao médico, não têm acesso a lazer e são até desassistidos de coisas básicas como higiene pessoal. As pessoas vão deixando isso de lado, como se não fosse sua responsabilidade, mas é”, lamentou a gestora.

Veja também

Morre no Rio, aos 104 anos, o policial mais antigo da Polícia Militar
luto

Morre no Rio, aos 104 anos, o policial mais antigo da Polícia Militar

Letalidade da Covid-19 é semelhante à da pneumonia, calcula estudo
Coronavírus

Letalidade da Covid-19 é semelhante à da pneumonia, calcula estudo