Mais de 2 mil pessoas evacuadas de bairro rebelde de Damasco, na Síria

Evacuação objetiva pôr fim à presença armada no bairro

Guerra na SíriaGuerra na Síria - Foto: AFP

Mais de 2.000 civis e insurgentes foram retirados neste domingo de um bairro rebelde de Damasco, de acordo com os meios de comunicação sírios.

A evacuação do bairro de Qabun é a terceira retirada de pessoas de distritos rebeldes de Damasco, ocorrida anteriormente em outros dois bairros, Barzé e Teshrin, controlados por insurgentes desde 2012.

"A primeira fase do acordo no bairro de Qabun terminou com a saída de 2.289 pessoas, dentre as quais existiam 1.058 homens armados", declarou o governador de Damasco, Beshr Asaban, citado pela agência síria de notícias Sana.

A evacuação tem como objetivo "pôr fim à presença armada no bairro", ressaltou.

Um correspondente da AFP relatou ter visto neste domingo dez ônibus transportando os rebeldes e suas famílias.

Os meios públicos informaram neste sábado que o governo sírio teria entrado em um acordo com os insurgentes para que esses fossem evacuados de Qabun, após o avanço das tropas do regime nesse setor.

Um militante que estava próximo ao local havia confirmado que a operação já tinha começado. "Os ônibus estão prontos, e aguardam no local controlado pelo regime"

contou à AFP Odai Awdeh.

- Túneis entre bairros -

Exatamente na divisa do bairro, duas mulheres se abraçavam e choravam antes de se separar. Suad, de 22 anos, partia com sua família para a província de Idlib, deixando a sua amiga Mona, também de 22 anos, que continuará em Damasco.

"Não queria ir. Devo ir com a minha família, e eles preferem ir a Idlib desde que meu tio se mudou para lá após ter deixado Barzé", explicou Suad, antes de se misturar à multidão que se preparava para embarcar nos ônibus.

Na sexta-feira, mais de 1.200 civis e insurgentes foram evacuados dos bairros de Barzé e Teshrin, em direção à província de Idlib.

Além de Barzé, Qabun e Teshrin, os rebeldes estão presentes em outros três bairros da capital síria, Jobar, Tadmun e Yarmuk.

Um soldado do exército mostrou um túnel que servia aos combatentes rebeldes como local para guardar mantimentos e armas. "Tinha dez metros de comprimento, dois metros de altura, e unia Qabun a Erbin", controlado pelos rebeldes na região da Ghuta oriental, próxima a Damasco.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), várias famílias de rebeldes conseguiam percorrer o túnel para abandonar Ghuta e chegar a Qabun, de onde poderiam pegar um ônibus até Idleb.

Mais de 320.000 pessoas já morreram na Síria desde que começaram as revoltas contra o regime, em 2011, que se transformaram em uma guerra civil vivida sob dura repressão.

Veja também

Pela última vez, Trump perdoa peru pelo Dia de Ação de Graças
EUA

Pela última vez, Trump perdoa peru pelo Dia de Ação de Graças

Biden monta gabinete moderado com diversidade na superfície para neutralizar críticas da esquerda
EUA

Biden monta gabinete moderado com diversidade na superfície para neutralizar críticas da esquerda