Chuva

Moradores tentam recuperar móveis inundados após alagamentos

No Recife e em Olinda, móveis e eletrodomésticos eram revirados e suspensos para evitar mais estragos

Após tragédias, famílias tentam resgatar móveis. Após tragédias, famílias tentam resgatar móveis.  - Foto: Arthur Mota/ Folha de Pernambuco

No dia seguinte às chuvas que trouxeram transtornos e alagamentos em toda a Região Metropolitana do Recife, os moradores tentavam recuperar os pertences inundados. Móveis e eletrodomésticos eram revirados e suspensos para evitar novos estragos.  

Em Olinda, o corpo de um cachorro jazia no chão ao lado de um pequeno monte de lama, pedra e entulhos, por onde era preciso subir para entrar na casa de Luana Kelly dos Santos, 19. Com o filho de cinco meses nos braços, ela mostrava o que restou do espaço onde mora, na comunidade do Jacarezinho, localizada entre o Rio Beberibe e a avenida Presidente Kennedy.

Leia também:
Situação de famílias após as chuvas na RMR mobiliza internet
Casal de idosos morto em deslizamento é sepultado
Em meio a chuvas, jacaré é encontrado no bairro do Prado


Mesa, cama, colchões, geladeira, tudo ficou encharcado quando o rio transbordou, trazendo não apenas água como o lixo que domina o canal. “Como já tinha dado uma [inundação] antes, a gente foi para a casa da minha mãe, pendurou as coisas e dormiu lá”, conta a jovem, que mora ainda com o marido, autônomo, e a filha de 3 anos. A mãe dela, Marilene Maria dos Santos, 48, diz que se vira vendendo salgados para sustentar a família. “A situação de emprego está difícil”, afirma.

Do outro lado do rio, em Porto da Madeira, Zona Norte do Recife, o trecho mais baixo da rua Cortês ficou todo enlameado. “Na minha casa, foram 55 centímetros de água, perdi meu guarda-roupa, o do meu sogro, a cama, o berço do meu filho, tudo foi embora”, lamenta o autônomo Rafael Félix, 33, que não conseguiu dormir por dois dias. “A gente fica com o coração na mão”.

Celpe
A Companhia Energética de Pernambuco (Celpe) informou que está restabelecendo o fornecimento de energia nos bairros de Casa Caiada e Jardim Atlântico, em Olinda. Segundo a companhia, o serviço será normalizado à medida que seja verificada a segurança dos móveis inundados. A empresa afirmou ainda que manterá as equipes de prontidão para orientar os moradores até que a situação na cidade entre em normalidade.

Veja também

Primeira negra eleita vereadora em Joinville volta a receber ameaças
Ameaças

Primeira negra eleita vereadora em Joinville volta a receber ameaças

Motorista é detido com 17 quilos de maconha na BR-428, em Cabrobó
Sertão

Motorista é detido com 17 quilos de maconha na BR-428, em Cabrobó