MPT e MPF repudia portaria publicada pelo governo sobre trabalho escravo

De acordo com os órgãos, a decisão abre brechas que dificultam a punição do trabalho escravo

Sede do Ministério Público do TrabalhoSede do Ministério Público do Trabalho - Foto: Divulgação

O Ministério Público do Trabalho (MPT) e o Ministério Público Federal (MPF) recomendaram que o governo revogasse a portaria publicada nesta segunda-feira (16), que abre brechas para dificultar a punição do trabalho escravo no Brasil.
A portaria, editada pelo Ministério do Trabalho, incluiu no conceito de trabalho escravo a "privação da liberdade de ir e vir", o que não constava anteriormente.

Leia também
Ações de combate ao trabalho escravo e infantil vão continuar, garante ministro
MPT recorre de decisão que impediu publicação de lista suja do trabalho escravo


Em comunicação enviada nesta terça-feira (17), MPT e MPF afirmam que a adição desse requisito contraria tanto o Código Penal quanto as convenções da OIT (Organização Internacional do Trabalho). Na lei brasileira, trabalho escravo é "reduzir alguém a condição análoga à de escravo, quer submetendo-o a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, quer sujeitando-o a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o empregador ou preposto", ou seja, as condições degradantes já bastam.

A recomendação lembra que, em dezembro de 2016, a Corte Interamericana de Direitos Humanos condenou o Brasil pelo caso da Fazenda Brasil Verde, no sul de Pará, onde mais de 300 trabalhadores foram resgatados, entre 1989 e 2002. "A [Corte Interamericana] deixa claro [na decisão de 2016] que a ocorrência da escravidão dos dias atuais prescinde da limitação da liberdade de locomoção, evidenciando-se quando um homem exercer sobre seu semelhante [...] 'atributos do direito de propriedade'", afirma o documento enviado pelas procuradorias ao governo.

Nova regra

De acordo com a nova portaria, a lista com o nome de empregadores autuados por submeter trabalhadores a situações análogas à escravidão passará a ser divulgada apenas com "determinação expressa do ministro". Antes, a divulgação cabia à área técnica da pasta -para o MPT e o MPF, isso fere a Lei de Acesso à Informação.

Também foi alterado o modelo de trabalho dos auditores fiscais e elencam uma série de documentos necessários para que o processo possa ser aceito após a fiscalização.

Veja também

'Força, meu Líbano', diz Temer após explosão atingir Beirute
Explosão

'Força, meu Líbano', diz Temer após explosão atingir Beirute

Pantanal tem julho com maior número de queimadas já registrado
meio ambiente

Pantanal tem julho com maior número de queimadas já registrado