Mulher dá à luz graças a ovário congelado na infância

"É a primeira vez que o processo funciona com uma jovem pré-puberal", declarou a professora Helen Picton

Projeto de Lei é de autoria do deputado estadual Álvaro Porto (PTB)Projeto de Lei é de autoria do deputado estadual Álvaro Porto (PTB) - Foto: Roberto Soares/ Alepe

Uma mulher de 24 anos, cujo ovário foi congelado quando tinha nove anos, deu à luz ao seu primeiro filho no Hospital Portland de Londres, anunciou nesta quarta-feira (14) a Universidade de Leeds.

"É a primeira vez que o processo funciona com uma jovem pré-puberal", declarou a professora Helen Picton, que em 2001 havia congelado o tecido ovárico da jovem árabe Moaza Al-Matrooshi, quando tinha nove anos, em um comunicado da universidade.

"Em todo o mundo, mais de 60 bebês nasceram de mulheres que tiveram sua fertilidade devolvida, mas Moaza é o primeiro caso de congelamento pré-puberal e o primeiro de uma paciente tratada por talassemia", acrescentou a professora em uma entrevista à BBC. A talassemia, uma doença do sangue relacionada à dificuldade de produção da hemoglobina, requer um tratamento com quimioterapia que pode prejudicar a fertilidade da paciente, explicou a universidade.

Assim, os médicos retiraram o seu ovário direito e o congelaram para preservar suas chances de ser mãe. Os tecidos desse ovário foram reimplantados em 2015, o que permitiu o nascimento de seu bebê, classificado como "milagre" durante uma entrevista para a BBC.

Matrooshi não poderia ter dado à luz sem esta intervenção, já que a quimioterapia adiantou sua menopausa para os 20 anos, afirmou a universidade. "No início do transplante, seus níveis hormonais começaram a normalizar, ela começou a ovular e sua fertilidade foi restaurada", acrescentou a mesma fonte.

No ano passado, uma belga deu à luz a seu primeiro filho após ter feito a mesma intervenção quando tinha 13 anos. Mas, "diferentemente de Moaza, a jovem já havia entrado na puberdade quando o ovário foi extraído", indicou a universidade.

Veja também

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT
mercosul

Brasil veta plano do Mercosul por incluir expressão 'crimes de ódio' contra pessoas LGBT

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo
Coronavírus

Usar máscara poderia evitar 130.000 mortes nos EUA, aponta estudo