Mulheres negras de Paraty, almas adornadas

Sesc dá visibilidade a um movimento de mulheres negras do Estado do Rio de Janeiro.

ParatyParaty - Foto: Carla Batista/divulgação

Caminhando pelas ruas de Paraty neste verão você pode se deparar com uma mostra exemplar. #AlmAdornada. Exposição que é como um espelho jogado ao mar, no qual se mirasse Yemanjá. Mulheres negras que saem das águas e nos impressionam pelo poder e beleza refletidos pelas suas imagens. Fotos de peles negras, aveludadas, com brilho irisado pelo sal e pela lida diária, adornadas com conchas e estrelas. Parece que as ondas dos mar se criam a partir do trabalho de suas mãos. Retratos do reconhecimento sublime à força que existe em cada uma delas, desde que se juntaram, a partir do momento que se despiram para incomodar o olhar das pessoas acostumadas ao branqueamento historicamente forçado.

Naquelas pequenas salas ficamos sabendo como nasceu o Coletivo de Mulheres Pretas de Paraty, a partir do Encontro Mãe Preta: aonde estão as pretas de Paraty? realizado em 2016.

“pretendíamos ser um grupo de mulheres interessadas em nos apropriar de nosso processo sociocultural e histórico, com a intenção de nos instrumentalizar e criar estratégias de cura e enfrentamento ao racismo”.

Em 2017, se somaram à iniciativa as fundadoras da tenda Articula Preta, da Festa Literária de Paraty – Flip, daquele ano. De lá pra cá o movimento só cresce e ganha visibilidade. Costuma-se dizer que as mulheres, quando se juntam, são como as águas...

A exposição, que teve início em agosto de 2019, dentro das atividades do Àwa Festival de Cultura Negra, permanece na cidade até o dia 26 de janeiro. Foi organizada por Dani Guirra e Marcela Bonfim. São desta última as palavras:

“acessar e refletir imagens invisíveis na pele de uma mulher negra significa abraçar sentido de libertação, dar vazão a vozes sufocadas por gerações, gerar constelações de estórias únicas e que também são múltiplas histórias. (...) (Re)fazer caminhos da memória-cultura de um corpo esquecido de sua própria memória ancestral, cada vez mais, tem nos tornado mulheres negras mais próximas de mulheres negras: é um resgate, uma retomada da forma do fazer juntas”.



Em um dos espaços da galeria do Sesc - que fica em frente ao cais da cidade - uma espécie de linha de apresentação das integrantes pode ser visitada, acompanhada de seus depoimentos. Processos de empoderamento e politização, isto é, de como foram se constituindo como força coletiva, foram verbalizados e são apresentados a modo de instalação.

A exposição contrasta e dialoga com a cidade colonial. A beleza do que é preservado nas construções naquela paisagem exuberante de montanhas e mar, no contexto de uma urgência de descolonização da nossa História.

Que bom quando curadorias de espaços dedicados à arte compreendem que a capacidade de organizar a vida, para que ela seja mais bela e bem vivida, é também motivo de exposição e reconhecimento. Que venham outras mostras como essa pelo Brasil afora.

*Carla Gisele Batista é historiadora, pesquisadora, educadora popular. Mestra em Estudos Interdisciplinares Sobre Mulheres, Gênero e Feminismo pela UFBA. Militante feminista, integrou as coordenações do Fórum de Mulheres de Pernambuco, da Articulação de Mulheres Brasileiras e da Articulación Feminista Marcosur. Publicou em 2019 o livro: Ação Feminista em Defesa da Legalização do Aborto: Movimento e Instituição, pela Annablume Editora.

*A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas

Veja também

Obra de Francisco Brennand entra em leilão solidário
Arte por Solidariedade

Obra de Francisco Brennand entra em leilão solidário

Conheça a história da estudante baiana que foi aprovada em seis universidades estrangeiras
educa mais brasil

Conheça a história da estudante baiana que foi aprovada em seis universidades estrangeiras