Nicarágua: entre a revolução e a ditadura

Como as feministas nicaraguenses avaliam o Governo Ortega/Rosário

Maria Teresa Blandón, integrante da organização La CorrienteMaria Teresa Blandón, integrante da organização La Corriente - Foto: Reprodução/Internet

Para refrescar um pouco a memória: Augusto César Sandino foi um homem do campo que na década de 20 do século passado iniciou a formação de um grupo revolucionário para lutar, entre outros propósitos, pela reforma agrária. Após alcançarem uma das suas importantes demandas, que foi a saída das tropas norte-americanas do país, esses guerrilheiros depuseram suas armas. Sofreram então um Golpe de militares que, liderados por Anastásio Somoza, assassinaram Sandino e instalaram uma ditadura no país.

Nos anos 60 foi criada a Frente Sandinista Nacional com o objetivo de por fim à ingerência externa no país e à ditadura Somozista, instaurando o socialismo na Nicarágua. Militantes de diversos países, inclusive brasileiros/as, se somaram à luta revolucionária que previa, entre outras transformações, a democratização do acesso à terra, à saúde e à educação. Era um projeto pelo qual valia a pena lutar.

Daniel Ortega, o atual presidente, foi um dos guerrilheiros desse movimento que em julho de 1979, após cerca de dois anos de guerra, conseguiu derrubar do poder a ditadura Somozista. Por seu papel no processo revolucionário, assumiu como líder a Junta do que se denominou “Governo de Reconstrução Nacional”.

Enquanto isso a oposição se organizou com o apoio da Igreja e dos EUA. A isso some as contradições inerentes ao processo de instaurar uma reconstrução nacional durante a crise econômica da década de 80, o que levou à derrota eleitoral dos Sandinistas em 1990, com a eleição do projeto neoliberal e conservador de Violeta Chamorro.

Para voltar ao governo em 2007, Ortega moderou o discurso e contou com o apoio declarado dos norte-americanos. Está no seu terceiro mandato, conquistado no final de 2016, numa eleição em que teve 72% dos votos, mas que contou também com cerca de 35% de abstenção e acusações de fraude. Nesses 11 anos de governo tem sido acusado de perseguir ferozmente críticos e opositores, de nepotismo e de se tornar cada vez mais parecido a Somoza, o antigo ditador. Se foi um dos líderes que ajudou a derrotar uma dinastia autoritária, está sendo acusado de ter iniciado outra quando lançou Rosario Murillo, sua esposa - da família de Sandino, o herói nacional - à vice-presidência do país.

O estopim para as atuais mobilizações foi a Reforma da Previdência, que previa a redução das aposentadorias e aumento das contribuições para empresas e trabalhadores/as. Imposta por decreto, o Governo teve que voltar atrás a partir da conflagração que o ato provocou. Mas o descontentamento e a tensão já vinham se manifestando a partir do incêndio em uma reserva dos índios Maiz - com mais de 5 mil hectares destruídos -, o que marcou o início de uma jornada de protestos que culminaram nas ações contra a imposição da Reforma da Previdência e que agora exigem também o fim do regime.

Pedi a uma das companheiras do movimento de mulheres daquele país para que ela nos apresentasse brevemente as principais críticas que as feministas nicaraguenses levantaram durante a última década ao governo de Daniel Ortega e Rosario Murillo. Ao que Maria Teresa Blandón (foto), integrante da organização La Corriente**, contestou:

“Eles (Ortega e Rosário) nunca poderiam ter abusado de sua enteada e ter encoberto esse crime”. Relembrando: Zoilamérica, filha de um casamento anterior de Rosário, acusou o padastro de tê-la violado em repetidas ocasiões. Rosário deu apoio ao marido, contra a filha. A ação não teve andamento na Justiça, já que a Juíza responsável afirmou que o caso estava prescrito, além de quê, Ortega gozava de imunidade por conta do cargo;

“Eles nunca deveriam ter feito um pacto com um dos mais corruptos governadores nicaraguenses, Arnoldo Alemán, para voltar à presidência. Assim como nunca deveriam ter encorajado, endossado, acobertado, promovido a corrupção de magistrados, deputados, ministros e prefeitos. Ortega nunca deveria ter corrompido o judiciário e o poder eleitoral, hoje sujeitos a seus interesses pessoais. Ele não deveria ter fraudado eleições – todas as fraudes documentadas – para ficar por três mandatos consecutivos na presidência, ter controle absoluto do Parlamento e da maioria dos Governos municipais”;

“Eles nunca poderiam ter concedido uma concessão a um milionário chinês***, comprometendo valiosos territórios e recursos naturais do país. Ele nunca deveria mentir para o povo da Nicarágua sobre um megaprojeto que não tinha chance de existir e que só foi utilizado para entregar a corporações transnacionais grandes áreas pertencentes a povos indígenas da costa do Caribe e, nunca deveria ter violado a autonomia dos governos indígenas da costa caribenha”

“Você nunca deve aprovar uma reforma tributária que beneficie apenas grandes empresários nacionais e estrangeiros, que foi o que ele fez”;

“Nunca deveria ter reformado a Lei Integral contra a Violência contra as Mulheres, a fim de reduzir as penas para os infratores, eliminar as delegacias de polícia voltadas ao atendimento das mulheres vítimas deste crime, além de ocultar informações a respeito”;

“Ele nunca deveria ter se aliado a religiosos fundamentalistas - ou usá-los - para negar os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres e jovens. Nunca deveria ter aprovado um código de família que violasse os direitos de lésbicas, gays e transgêneros. Ele nunca deveria ter penalizado absolutamente o aborto, o que representa uma condenação para as mulheres pobres”. Acrescento que isso foi feito com a Reforma do Código Penal daquele país em 2007;

Leia também:
Trabalho remunerado: essencial para ampliar autonomia das mulheres
Abril: aniversário de muitas lutas feministas

“Ele nunca deveria ter restringido a liberdade de expressão ameaçando jornalistas, fechando espaços e comprando quase todas as estações de televisão do país, hoje especializadas em espalhar mentiras oficiais”;

“Ele nunca deveria ter colocado todos os seus filhos e filhas como conselheiros do governo, ganhando grandes salários, sem que tivessem competência para exercer funções públicas”;

“Ele nunca deveria reprimir as mobilizações realizadas pelo movimento feminista, o movimento camponês e o movimento estudantil”;

Ele nunca deveria ter reprimido, como fez desde 18 de abril (de 2018), estudantes, jovens e colonos que protestam pacificamente. Até o momento, 70 jovens foram mortos (incluindo 4 crianças). Ele nunca deveria ter permitido que a polícia nacional agisse em conjunto com grupos paramilitares para semear um estado de terror”.

Como podemos ver, são muitos e concretos os motivos para oposição e manifestação.
Por causa do segundo domingo de maio, termino essa coluna oferecendo a vocês a música MÃE, de Caetano Veloso, na voz de Gal Costa.



 

Na próxima semana falarei sobre maternidade. Até lá!

**Você pode acompanhar mais notícias, ações e posicionamentos de movimentos sociais nicaraguenses através do face book na página do PROGRAMA FEMINISTA LA CORRIENTE @programafeminista.Lacorriente

***Se refere ao empresário chinês Wang Jing, a quem Ortega fez a concessão para a construção de um canal interoceânico. Obra que conta com a oposição da população.

* Carla Gisele Batista é historiadora, pesquisadora, educadora e feminista desde a década de 1990. Graduou-se em Licenciatura em História pela Universidade Federal de Pernambuco (1992) e fez mestrado em Estudos Interdisciplinares Sobre Mulheres, Gênero e Feminismo pela Universidade Federal da Bahia (2012). Atuou profissionalmente na organização SOS Corpo Instituto Feminista para a Democracia (1993 a 2009), como assessora da Secretaria Estadual de Política para Mulheres do estado da Bahia (2013) e como instrutora do Conselho dos Direitos das Mulheres de Cachoeira do Sul/RS (2015). Como militante, integrou as coordenações do Fórum de Mulheres de Pernambuco, da Articulação de Mulheres Brasileiras e da Articulación Feminista Marcosur. Integrou também o Comitê Latino Americano e do Caribe de Defesa dos Direitos das Mulheres (Cladem/Brasil). Já publicou textos em veículos como Justificando, Correio da Bahia, O Povo (de Cachoeira do Sul).

* A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

 

Veja também

Após ação, Instituto Rio Branco suspende prova para entrar no Itamaraty
Brasil

Após ação, Instituto Rio Branco suspende prova para entrar no Itamaraty

Pernambuco registra 1.467 novos casos da Covid-19 e 35 mortes nas últimas 24h
Coronavírus

Pernambuco registra 1.467 novos casos da Covid-19 e 35 mortes nas últimas 24h