OMS eleva ameaça internacional do novo coronavírus para 'muito elevada'

Confira dicas da OMS para se proteger do novo coronavírus

Agentes de saúde em hospital de Wuhan, na China,Agentes de saúde em hospital de Wuhan, na China, - Foto: Hector RETAMAL / AFP

A Organização Mundial da Saúde (OMS) elevou a ameaça internacional do coronavírus Sars-CoV-2 para muito alta nesta sexta-feira (28). "O aumento contínuo do número de casos da doença causada pelo vírus, a chamada covid-19, e o aumento do número de países afetados são de clara preocupação", disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

"Nossos epidemiologistas estão monitorando os desdobramentos, e agora aumentamos nossa avaliação do risco de espalhamento e o risco de impacto da covid-19 para muito alta num nível global."

Até o momento, o vírus deixou mais de 83 mil infectados e matou mais de 2.800 pessoas (a maioria na China). Mais de 36 mil se recuperaram. Segundo o diretor da OMS, até o momento a maioria dos casos podem ser ligados a contatos conhecidos ou aglomerados de casos. "Não vemos evidência ainda de que o vírus está se espalhando livremente nas comunidades", disse. "Enquanto for esse o caso, ainda temos chance de conter o coronavírus se ações robustas forem tomadas para detectar casos de forma precoce, isolar os pacientes e cuidar deles e rastrear os contatos."

Ghebreyesus também afirmou que há mais de 20 vacinas sendo desenvolvidas no mundo. "Esperamos os primeiros resultados em algumas semanas, mas não precisamos esperar por vacinas e soluções terapêuticas. Há coisas que cada indivíduo pode fazer para se proteger e proteger os outros hoje", disse, referindo-se às boas práticas de higiene respiratória, como lavar sempre as mãos e espirrar e tossir no cotovelo.

"Seu risco depende de onde você mora, sua idade e sua saúde em geral", lembrou o diretor.

Leia também:
OMS: casos de coronavírus foram confirmados em mais nove países
Casos de suspeita de coronavírus no Brasil sobem para 132

Veja dicas da OMS para se proteger do novo coronavírus:

Higienize as mãos
Lave suas mãos frequentemente com água e sabão ou com uma solução de álcool em gel.

Mantenha distância social
Mantenha pelo menos um metro de distância de pessoas que apresentam tosse ou espirros constantes.
A tosse e o espirro propagam pequenas gotas de secreção e saliva que podem conter vírus. Com a proximidade, a chance de respirar ou ter contato essas gotículas aumenta.

Evite tocar os olhos, o nariz e a boca
Evite coçar, esfregar ou ter qualquer tipo de contato com as mucosas. Essas áreas têm contato direto com a corrente sanguínea e são mais sensíveis à presença de agentes de contaminação. As mãos estão em contato constante com superfícies que podem ser vetores de transmissão de vírus e bactérias. Mantê-las longe das mucosas diminui a chance de ficar doente.

Pratique higiene respiratória
Tenha boas práticas de higiene respiratória. Isso significa cobrir a boca e o nariz com o braço curvado ou com um lenço de tecido ou papel ao tossir e espirrar. Descarte ou higienize o material usado imediatamente.

Gotículas de saliva e secreção são vetores do Covid-19. Evitar que outras pessoas entrem em contato com saliva contaminada evita não apenas o coronavírus, mas uma série de doenças respiratórias.

Em caso de febre ou dificuldade respiratória, busque ajuda médica rapidamente. Não saia de casa se estiver com febre. Se os sintomas persistirem e caso haja dificuldade respiratória, busque atenção especializada imediatamente. Apesar de serem sintomas comuns, uma ação rápida pode evitar problemas mais sérios e o desenvolvimento de sintomas mais graves de infecções respiratórias.

Uso de máscaras
Pessoas saudáveis, sem sintomas como febre, tosse ou espirros não precisam usar máscaras.

Apenas profissionais de saúde e pessoas que apresentem sintomas parecidos com os do novo coronavírus precisam usar máscaras. A função das máscaras é conter a propagação do vírus em quem já está infectado. A OMS recomenda o uso racional das máscaras.

Veja também

Brasil registra 24.818 novos casos e 566 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h
boletim

Brasil registra 24.818 novos casos e 566 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h

Pesquisas não têm valor se eleitores ficarem em casa, diz Obama em comício de Biden
internacional

Pesquisas não têm valor se eleitores ficarem em casa, diz Obama em comício de Biden