Pacientes do Badim morreram por asfixia de fumaça tóxica

O Instituto Médico-Legal (IML) divulgou os nomes dos dez corpos que deram entrada na unidade

Vítima do incêndio em BadimVítima do incêndio em Badim - Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Os pacientes que morreram em decorrência do incêndio no Hospital Badim, zona norte do Rio, estavam internados no Centro de Tratamento Intensivo (CTI), no 3° andar do prédio mais antigo do hospital.

A principal causa das mortes foi asfixia por ingestão da fumaça tóxica que se desprendeu, após um curto circuito no gerador instalado no subsolo do prédio. O incêndio começou no final da tarde de ontem (12).

O Instituto Médico-Legal (IML) divulgou os nomes dos dez corpos que deram entrada na unidade. Todos foram identificados e necropsiados e estão liberados para os familiares.

Leia também:
Corpos de dez vítimas de incêndio em hospital no Rio são identificados
Incêndio no Rio expõe fragilidade de prédios hospitalares
Incêndio atinge hospital no Rio e pacientes são retirados às pressas
 

As vítimas são:

Alayde Henrique Barbieri, 96 anos
Ana Almeida do Nascimento, 95 anos;
Berta Gonçalves Berreiros Sousa, 93 anos;
Darcy da Rocha Dias, 88 anos;
Irene Freitas, de 83 anos;
José Costa Andrade,79 anos;
Luzia dos Santos Melo, 88 anos;
Maria Alice Teixeira da Costa, 75 anos;
Marlene Menezes Fraga, 85 anos;
Virgílio Claudino da Silva, 66 anos.

A décima primeira vítima, confirmada pelo diretor técnico do Hospital Badim, Fábio Santoro, morreu no Hospital Israelita Albert Sabin, no bairro do Maracanã, para onde foi transferida, logo após o incêndio. O corpo não foi transferido para o IML e o nome da vítima ainda não foi divulgado oficialmente.

Veja também

Tribunal que julga impeachment de Witzel ouvirá 29 testemunhas
Brasil

Tribunal que julga impeachment de Witzel ouvirá 29 testemunhas

Quase 90% do desmatamento da Amazônia em Mato Grosso nos últimos 12 anos foi ilegal
Meio ambiente

Quase 90% do desmatamento da Amazônia em MT nos últimos 12 anos foi ilegal