Pescados atingidos por óleo passam por análise

O trabalho será realizado pelo Governo do Estado, em parceria com a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), além da participação da PUC/RJ

PescadosPescados - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Pescados coletados na orla pernambucana passarão por análise para saber se há algum nível de contaminação gerado pelo óleo que atingiu as praias.  O trabalho será realizado pelo Governo do Estado, em parceria com a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). A primeira leva está sob responsabilidade da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ), que tem um laboratório certificado que presta serviços à própria Petrobras em questões relacionadas à contaminação por petróleo.

Ao todo, serão coletadas 150 amostras de pescados em 12 localidades pesqueiras pelos alunos do departamento de Engenharia de Pesca da Universidade e extensionistas do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA). As primeiras 50 amostras já foram enviadas para a universidade nesta segunda-feira (12) e o restante deve ser encaminhado no resto da semana. Os primeiros resultados devem ser liberado dentro de dez dias.

Segundo o secretário de Desenvolvimento Agrário do Estado, Dilson Peixoto, o a pesquisa deve dar segurança aos pescadores e à população de Pernambuco quanto à qualidade dos pescados no litoral. “Esta análise vai nos dar condições de afirmar se houve contaminação dos pescados e, em caso positivo, em que intensidade. Só a partir dessa avaliação será possível afirmar se os pescados estão livres de contaminação e liberados para o consumo da população”, explicou o secretário.

Leia também:
Marinha reforça limpeza do óleo no litoral de Pernambuco
Óleo atinge local de desova de tartarugas no Espírito Santo
Praias de Pernambuco atingidas por óleo estão próprias para banho
 

Entre as espécies coletadas estão moluscos (ostra, marisco e sururu), peixes (budião, saramunete, sapuruna, tainha, xaréu, manjuba, agulha, camurim, vermelho, pampo, bonito, dourado, bagre, raias e cações) e crustáceos (lagosta, camarão, caranguejo, guaiamum e siri). As coletas estão sendo realizadas nos estuários do Rio Capibaribe, Itapissuma, Itamaracá, Igarassu, Goiana, Paulista, Cabo de Santo Agostinho, Rio Formoso, Tamandaré, Ipojuca e São José da Coroa Grande.

Neste caso, foco das análises é a pesca artesanal, que não foi investigada pelas fiscalizações realizadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e pela Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária (Adagro) com a indústria e os entrepostos com cadastro federal e estadual.

Após as coletas será iniciado um trabalho de monitoramento dos pescados no litoral de Pernambuco, por prazo indeterminado. “Esse tipo de acidente, com possibilidade de contaminação por hidrocarbonetos, tende a deixar vestígios por muito tempo, por isso existe a necessidade de manter o monitoramento dos pescados por meses e até anos”, afirmou Dilson Peixoto.

Espera-se é que o trabalho de monitoramento seja assumido pelo Instituto de Tecnologia de Pernambuco (Itep), que atualmente está em fase de certificação de seu laboratório para análise de contaminação por hidrocarbonetos.

Veja também

São Paulo anuncia ampliação de testes da fase 3 da vacina CoronaVac
coronavírus

São Paulo anuncia ampliação de testes da fase 3 da vacina CoronaVac

AGU cobra na Justiça R$ 893 milhões de desmatadores da Amazônia
amazônia

AGU cobra na Justiça R$ 893 milhões de desmatadores da Amazônia