Praias atingidas por óleo no Grande Recife ficam esvaziadas

Os poucos banhistas que apareceram em Barra de Jangada, Jaboatão, e Itapuama, no Cabo, não se aventuraram a entrar no mar

Presença de voluntários continua nas praias para retirada do óleoPresença de voluntários continua nas praias para retirada do óleo - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Algumas das praias do Grande Recife atingidas pelo óleo amanheceram esvaziadas neste domingo (27). Em Barra de Jangada, Jaboatão dos Guararapes, e Itapuama, no Cabo de Santo Agostinho, praticamente ninguém se aventurou a entrar na água do mar. Comerciantes alegam que as vendas estão muito abaixo para o esperado nesta época do ano e ainda procuram solução para não ficar no prejuízo.

Ainda é grande a presença de voluntários nestes locais, ajudando na retirada dos resíduos, como é o caso da autônoma Gerlaine Becker, 56 anos. Moradora de Barra de Jangada há 26 anos, ela conta que desde os primeiros dias do surgimento do óleo na praia tentou contribuir com a limpeza. Neste domingo (27), ela chegou na praia às 7h para continuar ajudando. "Essa situação toda é muito triste. Me sinto vítima de uma crueldade humano, mas precisamos nos unir para salvar nossas praias", disse.

Leia também:
Governo pede esclarecimentos a 11 países sobre origem do óleo
Ministério Público do TCU pede apuração da conduta do governo em vazamento de óleo


Em Itapuama têm chegado doações de equipamentos de proteção individual (EPIs), alimentos e água. A todo instante também aparecem pessoas dispostas a contribuir com retirada dos resíduos na costa. O que pouco se vê no local são banhistas. A comerciante Maria dos Prazeres da Silva, 54, conta que há cerca de 20 anos vende lanches em Itapuama e nunca passou por uma situação com a atual. "Infelizmente, não sabemos nosso futuro. Estamos de mãos atadas sem saber o que fazer para contornar esta situação", lamenta.

Em entrevista coletiva, realizada sábado (26), representantes da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) afirmaram que o banho não é recomendado nas praias onde há óleo aparente na água. Caso contrário, não há problemas e o que vale é o bom senso. De acordo com o órgão, são 12 equipes no monitoramento. Aproximadamente 40 pessoas em campo e mais 20 junto com o pessoal da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade de Pernambuco (Semas).

Desde o início das primeiras manchas de óleo, em setembro, até a última sexta-feira (25), foram recolhidas 1.447 toneladas de óleo em Pernambuco, segundo o governo estadual. Foram atingidas 41 praias e sete rios nas cidades de Barreiros, Cabo de Santo Agostinho, Goiana, Ilha de Itamaracá, Ipojuca, Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Paulista, Recife, Rio Formoso, São José da Coroa Grande, Sirinhaém e Tamandaré.

Veja também

Trem descarrila no nordeste da Escócia e há feridos graves
Mundo

Trem descarrila no nordeste da Escócia e há feridos graves

Nova Zelândia ordena confinamento de asilos de idosos
Coronavírus

Nova Zelândia ordena confinamento de asilos de idosos