Prefeitura do Rio demora a interditar ciclovia que caiu após temporal

Não houve feridos no desabamento da ciclovia, o segundo desde a sua inauguração em 2016

Prefeitura do Rio interdita ciclovia Tim Maia que desabou pela segunda vezPrefeitura do Rio interdita ciclovia Tim Maia que desabou pela segunda vez - Foto: Tomaz Silva / Agência Brasil

A Prefeitura do Rio demorou cerca de duas horas para interditar por completo a ciclovia Tim Maia, que liga o Leblon, na zona sul, à Barra, zona oeste. Um trecho em São Conrado desabou no início da manhã desta quinta-feira (15). O Rio está em estado de atenção após ter registrado fortes chuvas desde a noite de quarta e que continuaram durante a madrugada. Ao menos três pessoas morreram em razão das chuvas.

Não houve feridos no desabamento da ciclovia, o segundo desde a sua inauguração em 2016. A demora na interdição fica evidente quando analisados os horários de alertas sobre o assunto enviados pelo Centro de Operações da Prefeitura. Pouco antes das 7h, o COR divulgou que um trecho da ciclovia havia desabado e que equipes da Defesa Civil municipal estariam a caminho.

Leia também:
Temporal no Rio provoca mortes, alagamentos e deslizamento
Prefeitura do Rio recomenda evitar deslocamentos nesta manhã


Somente às 8h42, a ciclovia teve toda sua extensão interditada. Nesse intervalo, ciclistas chegaram a circular em partes da pista que ficaram de pé. A ciclovia Tim Maia liga a zona sul à zona oeste. A pista segue o trajeto da orla e parte significativa está instalada sobre uma estrutura suspensa ao lado do mar. O trecho que desabou nesta manhã fica na praia de São Conrado, onde o chão sob a pista cedeu e a parte da estrutura colapsou.

A ciclovia já havia sofrido com desabamento, mais grave, em abril de 2016, menos de três meses após a inauguração em janeiro daquele ano. A ideia era que a ciclovia fosse utilizada no período da Olimpíada, mas teve que ser interditada depois que parte da estrutura desabou, matando duas pessoas.

O trecho que caiu na ocasião fica próximo à avenida Niemeyer. Fortes ondas provocadas por uma ressaca atingiram a ciclovia de baixo para cima, fazendo com que a pista se descolasse da estrutura de sustentação. Perícia na época mostrou que a pista não estava aparafusada corretamente na estrutura, que não aguentou o impacto das ondas.

Devido ao desastre, a ciclovia ficou interditada e não pôde ser utilizada no período dos Jogos Olímpicos, que ocorreram em junho de 2016. Com sete quilômetros de extensão, a ciclovia custou R$ 44,7 milhões. Ela ganhou o nome de Tim Maia porque o projeto original pretendia ligar do Leme (Copacabana) ao Pontal (Recreio dos Bandeirantes), como a célebre música do cantor. A ciclovia tem uma das vistas mais bonitas do Rio, por estar de frente para o mar, e vinha sendo utilizada por cariocas para pedaladas e corridas.

No dia em que desabou, a despeito da ressaca, o local tinha grande circulação de cariocas e turistas em razão do dia de forte sol que fazia. A ciclovia chegou a ficar interditada por 17 meses e foi reaberta por completo somente em setembro do ano passado.

Veja também

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"
Coronavírus

Barroso manda governo proteger três terras indígenas da Covid-19 e diz que "situação é gravíssima"

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres
Equidade

OAB define que metade dos cargos de direção da ordem deverá ser ocupada por mulheres