Paralisada Linha Centro do Metrô; previsão é voltar a operar às 15h

Cerca de 250 mil passageiros utilizam a Linha Centro todos os dias. A Linha Sul segue operando normalmente.

Paralisação no Metrô do RecifeParalisação no Metrô do Recife - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

A Linha do Centro do Metrô está paralisada na manhã desta quarta-feira (15). Segundo a Companhia Brasileira de Trens Urbanos do Recife (CBTU), a paralisação foi causada um problema na fiação elétrica entre as Estações Joana Bezerra e Recife. No fim da manhã, foi informado que estão sendo realizados testes na linha, que deve voltar a operar às 15h.

Cerca de 250 mil passageiros utilizam a Linha Centro todos os dias. A Linha Sul segue operando normalmente.

Reforço de ônibus
O Grande Recife Consórcio de Transporte montou um plano de contingência para ofertar mais ônibus com a paralisação do Metrô. Segundo o consórcio, serão reforçadas as linhas de BRT 2450 - TI Camaragibe (Conde da Boa Vista), 2443 - TI CDU/TI Joana Bezerra. A linha especial TI Camaragibe/TI TIP foi ativada e a 2480 - TI Camaragibe/Derby terá viagens alternadas para o Terminal Integrado Joana Bezerra.

Também foram reforçadas as linhas convencionais 202 – Barro/Macaxeira (Várzea) e 207 – Barro/Macaxeira (BR-101), que darão acesso à linha 2490 – TI Camaragibe/TI Macaxeira.

Passageiros enfrentam transtornos
A composição que apresentou problemas ficou parada sobre um pontilhão nas proximidades da Estação Joana Bezerra, na região central do Recife. Sob o trem, cabos rompidos ficaram expostos. Na Estação Recife, os portões de entrada estavam fechados. Na entrada, funcionários orientam os passageiros e somente os passageiros da Linha Sul conseguem entrar.

A paralisação causou indignação nos passageiros que tentaram acessar o metrô, como a enfermeira Alana Carla, 38, que afirmou que chegaria atrasada no metrô por causa do mau funcionamento dos trens. "É um transporte que não dá qualidade à população. A passagem do metrô aumenta, querem também aumentar a dos ônibus e o serviço não melhora, é uma falta de consideração com a população", afirmou a enfermeira.

O auxiliar administrativo Deiverson Marques, 27, tentou ir à estação Santa Luzia, de onde seguiria para o trabalho e foi pêgo de surpresa pela notícia de que os trens não estavam funcionando. "Vou ter que me deslocar para pegar ônibus e, com certeza, chegarei atrasado", afirmou. "Além dessas paralisações, o serviço oferecido no metrô não é bom. As vezes falta climatização, quase sempre está superlotado e sem segurança", completou Deiverson.

No último dia 5, a tarifa do metrô passou a custar R$ 3,70. Foi o penúltimo reajuste de uma série de aumentos escalonados que culminará com a tarifa custando R$ 4 a partir do dia 7 de março.

Veja também

Amapá, Ceará e Rio de Janeiro seguem em alerta de uma segunda onda
Coronavírus

Amapá, Ceará e Rio de Janeiro seguem em alerta de uma segunda onda

Com nova onda de Covid-19, Israel avalia suspender aulas presenciais após abre e fecha
Coronavírus

Com nova onda de Covid-19, Israel avalia suspender aulas presenciais após abre e fecha