Putin consegue vitória esmagadora e permanecerá no poder até 2024

Com 99,8% das urnas apuradas, Putin recebeu 76,67% dos votos, muito mais que os 63,6% da votação de 2012, segundo a Comissão Eleitoral

Vladimir Putin é reeleito presidente da RússiaVladimir Putin é reeleito presidente da Rússia - Foto: Kirill Kudryavtsev/AFP

Vladimir Putin foi reeleito no domingo (18) presidente da Rússia com 76,7% dos votos, de acordo com resultados praticamente definitivos, uma vitória esmagadora que reforça sua posição na crise com os países ocidentais e que garante sua permanência no poder até 2024. Putin, que desde 1999 está à frente da Rússia, como presidente ou como primeiro-ministro, deixará o cargo em 2024, quando completará 72 anos. Ao ser questionado se voltaria a disputar eleições, Putin respondeu: "Ficar aqui até 100 anos? Não".

Putin conquistou uma vitória sem precedentes em seu 18 anos de poder, em uma eleição que registrou uma taxa de participação superior a do pleito de 2012. A oposição e várias ONGs denunciaram milhares de irregularidades, como urnas preenchidas com antecedência ou o transporte de trabalhadores em ônibus até locais de votação, pressionados por seus chefes.

Leia também:
Russos vão às urnas; Putin deve ser reeleito
Putin proclama sua vitória nas eleições presidenciais da Rússia


Com 99,8% das urnas apuradas, Putin recebeu 76,67% dos votos, muito mais que os 63,6% da votação de 2012, segundo a Comissão Eleitoral. O candidato do Partido Comunista, Pavel Grudinin, recebeu 11,79% dos votos, o ultranacionalista Vladimir Zhirinovski 5,66% e a jornalista vinculada à oposição liberal Ksenia Sobtchak 1,67%.

A Rússia voltou ao centro do cenário internacional ao custo de um clima de tensão com os países ocidentais, algo que não era registrado desde o fim da Guerra Fria. O conflito na Síria, a crise ucraniana ou as acusações de interferência russa na eleição de Donald Trump nos Estados Unidos alimentam o confronto Leste-Oeste, que aumentou na semana passada quando Londres acusou Moscou de ter envenenado um ex-espião russo no Reino Unido.

No domingo, em sua primeira entrevista coletiva após a vitória, Putin afirmou que acusar a Rússia por este caso não faz nenhum sentido, mas acrescentou que Moscou está "disposto a cooperar" com Londres na investigação. Para alguns analistas, esta crise, que provocou a expulsão recíproca de diplomatas, fortaleceu Putin, cuja popularidade é cada vez mais baseada na política externa, enquanto o nível de vida dos russos prossegue em queda.

"Temos que agradecer ao Reino Unido porque mais uma vez não entenderam a maneira de pensar russa. Mais uma vez nos pressionaram justamente no momento em que precisávamos de mobilização", disse Andrey Kondrashov, porta-voz da campanha de Putin, citado pelo jornal Kommersant.

""Diabolizar' Putin no Ocidente teve o efeito inverso na Rússia, um apoio sem precedentes de sua figura", afirmou o senador russo Alexei Pushkov.

A eleição aconteceu, de modo simbólico, no quarto aniversário da ratificação da anexação da Crimeia pela Rússia.

Veja também

Contratos de namoro: um documento para rejeitar a união estável
Relacionamento

Contratos de namoro: um documento para rejeitar a união estável

Procurador-geral dos EUA diz não haver evidências de fraude decisiva nas eleições
Eleições nos EUA

Procurador-geral dos EUA diz não haver evidências de fraude decisiva nas eleições