Questão ambiental é para veganos que só comem vegetais, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou em evento do exército na zona oeste do Rio de Janeiro, querer transformar a baía de Angra dos Reis em uma "Cancún Brasileira"

Jair BolsonaroJair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou neste sábado (27), em evento do exército na zona oeste do Rio de Janeiro, querer transformar a baía de Angra dos Reis em uma "Cancún Brasileira", e que apenas "veganos que comem só vegetais" se importariam com a questão ambiental que afetaria a região.

Ao ser questionado se o meio ambiente não seria importante na transformação da baía de Angra dos Reis, o presidente fez um longo discurso contra a questão ambiental.

"Só aos veganos que comem só vegetais [é importante a questão ambiental]. A questão ambiental, o mundo cresce com 70 milhões de habitantes por ano, o Brasil com pouco mais de 2 milhões por ano. Outros países com baía não tão exuberante como a de Angra conservam o meio ambiente. Se quiséssemos fazer uma maldade, cometer um crime, nós iríamos à noite ou em um fim de semana qualquer na baía de Angra e cometeríamos um crime ambiental, que não tem como fiscalizar", disse Bolsonaro.

Leia também:
Consumir sem destruir o meio ambiente
Bolsonaro diz que jornalista não precisa se preocupar com deportação
'Talvez pegue uma cana aqui no Brasil', diz Bolsonaro sobre Glenn Greenwald


No ano passado, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu pela inconstitucionalidade de redução de Unidades de Conservação (UCs) por medida provisória. Bolsonaro quer alterar o status da Estação Ecológica (Esec) de Angra, onde é dono de uma casa na Vila Histórica de Mambucaba.

"Eu tenho conversado com índios, eles não querem viver como homem pré-históricos dentro das suas propriedades, eles querem em um primeiro momento energia elétrica. Estive agora no Amazonas, conversei com um pequeno grupo de índios e foi nesse sentido a conversa. O índio é um ser humano igual a nós, não é para ficar isolado em uma reserva como se fosse um zoológico", acrescentou Jair Bolsonaro.
O presidente apontou que quer transformar Angra em uma "Cancún Brasileira". "Me ajudem a fazer a baía de Angra a Cancun brasileira. Só que eu tenho que derrubar um decreto, acreditem, é por lei. Cancun fatura 12 bilhões de dólares por ano. O que fatura a baía de Angra? Fatura com dinheiro que vem de cuscuz, cocoroca e água de coco. E o estado do Rio com dificuldades. Vamos fazer da baía de Angra um Cancún. Tem gente de fora do Brasil que a custo zero transforma a baía de Angra talvez na primeira maravilha do Brasil", planejou Bolsonaro.

Enquanto defendia a mudança na baía de Angra, o presidente também voltou a atacar o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) por causa de dados sobre desmatamento que o capitão reformado diz não condizerem com a verdade e que prejudicam o nome do Brasil no exterior.

"É um crime quem fala em preservação ambiental sem ter conhecimento disso. Esses dados do Inpe, semana que vem vocês vão ter uma surpresa", disse o presidente, que não quis dizer qual seria essa "surpresa".

"No Brasil, parece que os chefes de Estado e alguns fazem campanha contra a sua pátria. Lula em 2002 disse que Brasil tinha 30 milhões de crianças nas ruas, é uma péssima propaganda contra o Brasil, essa questão ambiental é a mesma coisa. Não estou acusando ninguém, mas queria saber o que une essas pessoas com ONGs internacionais. Não serei o responsável por fazer uma campanha contra o meu Brasil", reclamou Bolsonaro.

Dados preliminares de satélites do Inpe mostram que mais de 1.000 km² de floresta amazônica foram derrubados na primeira quinzena deste mês, aumento de 68% em relação a julho de 2018.

"Quando acabarem os commodities do Brasil, nós vamos viver do que? Do que a gente vai viver? Outros países cada vez mais avançando no mundo todo. Vamos viver do que? Vamos virar veganos? Vamos virar, sim... Viver do meio ambiente? Não podemos tratar o meio ambiente como uma psicose ambiental", continuou o presidente do Brasil.

Criticado, o Inpe fica em São José dos Campos (SP) tem produção científica crescente e de impacto acima da média nacional –metade dela produzida com parceiros internacionais importantes, como a Nasa (agência espacial americana).

O instituto publica, em média, um resultado científico por dia em áreas como astrofísica, engenharia espacial e sensoriamento remoto, o que inclui trabalhos sobre desmatamentos na Amazônia. Metade desses novos estudos é feita em parceria com instituições importantes mundo afora.

Veja também

Fogos em nove fazendas destruíram 141 mil hectares no Pantanal
Pantanal

Fogos em nove fazendas destruíram 141 mil hectares no Pantanal

China promete neutralidade em carbono até 2060
Meio Ambiente

China promete neutralidade em carbono até 2060