Rainha pede solução rápida após comoção por anúncio de Harry e Meghan

A comoção é tal que relegou a segundo plano o voto histórico do Parlamento britânico

Rainha Elizabeth IIRainha Elizabeth II - Foto: Divulgação

A rainha Elizabeth II e membros da família real britânica pediram a seus conselheiros "uma solução factível" e rápida para o futuro do príncipe Harry e sua esposa, Meghan, depois de o casal renunciar às suas funções reais, em uma decisão surpreendente que sacudiu o Reino Unido.

A agência Press Association e a emissora de TV Sky News citaram uma fonte anônima do Palácio de Buckingham que assegurou que a monarca, assim como o príncipe Charles e o príncipe William, querem respostas "em dias, não semanas".

A comoção é tal que relegou a segundo plano o voto histórico do Parlamento britânico que, após anos de caos e divisão, deu luz verde à saída do Reino Unido da União Europeia. Ao invés disso, todo o país comentava o caso denominado "Megxit".

Leia também:
Harry e Meghan renunciam a funções de primeiro escalão na família real
Reino Unido é abalado por renúncia de Harry e Meghan

O clima de tensão no Palácio de Buckingham se tornou evidente depois que Harry, filho mais novo de Charles - herdeiro do trono -, e Meghan, uma atriz californiana que abriu mão da sua profissão para poder entrar na família real, fizeram o polêmico anúncio de que abririam mão das funções reais e buscariam independência financeira.

"É extraordinário que tenham dado esse passo sem consultar a rainha ou, inclusive, sem consultar o pai de Harry", disse à AFP Richard Fitzwilliams, especialista em monarquia britânica, avaliando que "partiram como rebeldes".

Há tempos a cobertura midiática e as estritas regras das funções reais incomodam Harry, de 35 anos, e Meghan, de 38 anos.

Ainda assim, segundo Victoria Murphy - outra especialista em monarquia - o anúncio do casal "decepcionou a família real britânica". Isso porque, apesar de a monarquia ser "um negócio, é também uma família", e decisões como essa "são pessoais e profissionais", explica Murphy.

Como se tivesse pouco com o que lidar, depois de o filho, Andrew deixar todas as funções públicas por causa dos laços de amizade com o falecido pedófilo americano Jeffrey Epstein, Elizabeth II vê, aos 93 anos, a família real perder dois de seus membros mais populares, ainda que controversos.

Duas horas após o anúncio do casal real, o Palácio emitiu um comunicado oficial afirmando que "trata-se de uma questão complicada que precisa de mais tempo para ser definida".

Bonecos de cera, apostas e Netflix
Fiéis ao seu senso de humor e à sua paixão pelas apostas, os britânicos não perderam tempo em começar a especular o que acontecerá na família real após o comunicado de Harry e Meghan.

Entre as opções mais votadas nas casas de aposta, estão: o anúncio de uma nova gravidez ainda este ano, a mudança definitiva de residência do casal para os Estados Unidos e a volta de Meghan às telinhas.

Alguns arriscam até mesmo que a atriz interprete a si mesma na próxima temporada de "The Crown", uma produção da Netflix, ainda que a produtora executiva da série tenha afirmado à agência de notícias britânica AP que dificilmente a saga chegaria aos tempos atuais.

O famoso museu de cera de Londres, o Madame Tussauds, também não perdeu tempo - imediatamente separou os bonecos do duque e da duquesa de Sussex das demais figuras da realeza britânica, como a rainha Elizabeth II.

Independência financeira
Na imprensa, alguns veículos compararam essa decisão com a abdicação do rei Edward VIII - tio da rainha em exercício - em 1936. Na época, ele abriu mão do trono para se casar com Wallis Simpson, uma americana divorciada, assim como Meghan.

Além disso, os jornais consideram a proposta de independência financeira do casal como uma decisão hipócrita. O dote real do qual abririam mão equivaleria a cerca de 5% dos seus gastos oficiais, já que o restante é financiado pela renda privada do Príncipe Charles.

O duque e a duquesa de Sussex, que desejam passar o tempo entre o Reino Unido e a América do Norte, ainda assim pretendem manter a residência em Frogmore Cottage, uma casa construída nos terrenos de Windsor, cuja reforma custou $ 2,4 milhões (cerca de R$ 12,8 milhões) aos cofres públicos.

Harry e Meghan continuariam integrando também o sistema de segurança social britânico.

Em nenhum momento o casal informou ter interesse em renunciar aos seus títulos de nobreza, ainda que o seu anúncio lhes permitiria ganhar dinheiro com suas atividades, aproveitando sua relevância midiática e social.

Harry, que na infância era considerado o membro mais problemático da realeza britânica, sofre até hoje com a perda da mãe, a princesa Diana, falecida em 1997, em Paris, em um acidente de carro.

Veja também

Fogos em nove fazendas destruíram 141 mil hectares no Pantanal
Pantanal

Fogos em nove fazendas destruíram 141 mil hectares no Pantanal

China promete neutralidade em carbono até 2060
Meio Ambiente

China promete neutralidade em carbono até 2060