Reino Unido classifica de "ato hostil" captura de petroleiro pelo Irã

Governo iraniano afirma que navio esteve envolvido em acidente

Jeremy Hunt, secretário do Exterior britânicoJeremy Hunt, secretário do Exterior britânico - Foto: Tolga Akmen / AFP

O Reino Unido não aceita as explicações iranianas para a captura do petroleiro no Estreito de Ormuz. Teerã alega que o navio foi levado para um porto iraniano por ter estado envolvido em acidente com um barco de pesca.

As explicações não convenceram o ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, Jeremy Hunt. "Acabei de falar com Zarif (homólogo iraniano) a quem expressei extremo descontentamento. Depois de no último sábado o Irã ter dito que queria evitar a escalada da situação, comportaram-se agora de forma contrária".

Jeremy Hunt disse ainda que para se encontrar uma saída para a tensão atual "são necessárias ações, não palavras".

Leia também:
Petrobras não abastece navios iranianos temendo sanções dos EUA
Reino Unido chama de 'inaceitável' apreensão de petroleiros pelo Irã 

O Reino Unido continua a optar pela via diplomática para acalmar a situação que se vive por estes dias e que subiu uns níveis depois da captura do petroleiro. Ainda hoje o Governo britânico convocou o encarregado de negócios iraniano no Reino Unido.

Ato hostil
Também hoje (20), o ministro britânico da Defesa afirmou que o que aconteceu foi um "ato hostil". Também ele considerou insuficientes as explicações iranianas.

A Guarda Revolucionária subiu um vídeo onde mostra os seus barcos aproximando-se do navio Stena Impero.

Simultaneamente, militares iranianos, com máscaras e e com armas, desceram de um helicóptero para o navio. A mesma tática utilizada há duas semanas pelos britânicos para pararem um navio iraniano na costa de Gibraltar.

Veja também

Estudantes nos EUA organizam 'festas Covid', onde quem se infecta, ganha
Coronavírus

Estudantes nos EUA organizam 'festas Covid'

Pequim suspende maioria das restrições de deslocamentos após surto de Covid-19
Coronavírus

Pequim suspende maioria das restrições de deslocamentos após surto de Covid-19