Rússia furiosa por acusações britânicas contra Putin por caso de ex-espião

Londres irritou o Kremlin ao considerar provável que Putin ordenou o envenenamento de Serguei Skripal

Putin sugeriu diálogo construtivo entre Rússia e Estados Unidos para fortalecer a estabilidade estratégica no mundo e encontrar respostas para as ameaças e desafios globaisPutin sugeriu diálogo construtivo entre Rússia e Estados Unidos para fortalecer a estabilidade estratégica no mundo e encontrar respostas para as ameaças e desafios globais - Foto: Sergei Karpukhin/ Reuters

A Rússia mostrou sua indignação nesta sexta-feira ante as acusações de Londres de que o presidente Vladimir Putin teria ordenado o envenenamento de um ex-espião russo em solo britânico, e assegurou que se prepara para expulsar diplomatas desse país de uma hora para outra.

Londres irritou o Kremlin ao considerar provável que Putin ordenou o envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal, acentuando o confronto entre Moscou e os países ocidentais. Este caso acontece a dois dias em que Vladimir Putin se prepara para conquistar um quarto mandato nas eleições presidenciais de domingo, o que poderá mantê-lo como chefe de Estado até 2024.

Leia também:
Polícia britânica examina casa de ex-espião russo envenenado
Reino Unido expulsa 23 diplomatas russos após envenenamento de ex-espião


O ministro das Relações Exteriores britânico, Boris Johnson, assegurou que Londres culpava o "Kremlin de Putin" e não a Rússia pelo envenenamento do ex-agente russo Serguei Skripal e sua filha Yulia em 4 de março em Salisbury, cidade do sul da Inglaterra. "Pensamos que é muito provável que se trate de sua decisão ordenar o uso e um agente neurotóxico nas ruas do Reino Unido, nas ruas das Europa, pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial", assegurou Johnson, ao lado de seu colega polonês Jacek Czaputowicz.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, respondeu de imediato: "Qualquer menção ou referência a nosso presidente nada mais é do que escandalosa e imperdoável em termos de etiqueta diplomática". O tom não para de subir entre Moscou e Londres, apoiado por seus principais aliados ocidentais, desde que Skripal, de 66 anos, e sua filha, 33 anos, foram vítimas de um ataque com agente neurotóxico de fabricação russa, segundo as autoridades britânicas. Eles seguem hospitalizados em estado crítico.

Na quarta-feira, a primeira-ministra britânica Theresa May anunciou a expulsão de 23 diplomatas russos, uma medida inédita desde a Guerra Fria, e o conglemaneto dos contatos bilaterais. Em resposta, a Rússia expulsará diplomatas britânicos seguindo o princípio de igualdade. "Certamente, vamos fazer", declarou o chanceler Serguei Lavrov. A resposta será "muito pensada e totalmente de acordo com os interesses de nosso país", afirmou por sua vez à imprensa Dmitri Peskov. Segundo Peskov, a intensidade da resposta russa será decidida por Putin.

Londres, Berlim, Paris e Washington publicaram um comunicado conjunto no qual afirmam que a única explicação "plausível" para o envenenamento em 4 de março é a responsabilidade de Moscou.

Silêncio de Putin
A Rússia alega inocência e nega categoricamente a existência do programa de armas químicas "Novichok", o agente neurotóxico que as autoridades britânicas identificaram neste caso de envenenamento. A existência deste agente foi revelada por um químico russo atualmente refugiado nos Estados Unidos, Vil Mirzaïanov.

"Cedo ou tarde a Grã-Bretanha terá que fornecer provas conclusivas (...) Por enquanto, não vimos nenhuma", declarou Peskov. Neste contexto, a polícia britânica anunciou a abertura de uma investigação por assassinato sobre a morte do exilado russo Nikolaï Gluchkov, cujo corpo foi encontrado na segunda-feira em sua residência em Londres.

"Uma investigação por assassinato foi lançada após os resultados da necrópsia", anunciou a Scotland Yard em um comunicado, indicando que a polícia antiterrorista vai liderar a investigação. Nesta fase, ela indicou que não pode estabelecer uma relação do caso com o envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, reiterou nesta sexta-feiras eu apoio a Londres em sua escalada com Moscou, mas avisou que é preciso evitar isolar a Rússia e entrar em uma nova Guerra Fria."Não queremos uma nova Guerra Fria, não queremos uma corrida armamentista: a Rússia é nosso vizinho, de modo que temos de continuar trabalhando para melhorar as relações", disse à rádio BBC o responsável pela Organização do Tratado do Atlântico Norte. "Isolar a Rússia não é uma opção. A Rússia é nosso vizinho", insistiu Stoltenberg.

Por sua vez, Vladimir Putin tem mantido o silêncio. "Há eleitores para os quais o lema 'morte aos traidores' faz sentido", especialmente entre o eleitorado de Putin, explicou o especialista Alexander Baunov, do centro Carnegie em Moscou, estimando que isso o faria "ganhar pontos dentro do eleitorado de inspiração estalinista".

A Ucrânia, que perdeu a península de Crimeia, anexada em 2014 por Moscou, também anunciou nesta sexta que proibiria os eleitores russos de entrar nos consulados de seu país para a votação de domingo.

Veja também

Trump aparecerá na Geórgia, em aposta pelo controle do Senado americano
Estados Unidos

Trump aparecerá na Geórgia, em aposta pelo controle do Senado americano

Nave japonesa retorna à Terra transportando amostras de asteroide
Espaço

Nave japonesa retorna à Terra transportando amostras de asteroide