Suspeito de atacar ex com soda cáustica afirma em depoimento que queria 'dar um susto'

Em coletiva de imprensa nesta terça (9), a delegada da Mulher do Recife, Bruna Falcão, deu mais detalhes sobre o caso de William César, que atirou ácido no rosto da ex-companheira

Analisa Sobreira, gestora do Departamento de Polícia da Mulher e a delegada Bruna Falcão, responsável pelo casoAnalisa Sobreira, gestora do Departamento de Polícia da Mulher e a delegada Bruna Falcão, responsável pelo caso - Foto: Caio Danyalgil / Folha de Pernambuco

Em coletiva de imprensa nesta terça (9), a delegada da Mulher do Recife, Bruna Falcão, deu mais detalhes sobre o caso do homem que atacou a ex-companheira com soda cáustica no rosto. A delegada detalhou o depoimento dado por William César dos Santos Júnior, 27, à polícia após se entregar na última segunda-feira (8).

O ex-companheiro de Mayara Araújo, 19, disse que sua intenção era "dar um susto" na vítima. Ele também afirmou estar arrependido e decidiu se entregar por sofrer ameaças. "Ele [William] se disse extremamente arrependido e alegou que o principal motivo era o pouco acesso que tinha ao filho", afirmou a delegada. "Mas isso tudo é desmentido por várias testemunhas. Inclusive, a mãe dele que o acesso à criança era franqueado por Mayara sempre”, acrescentou.



Leia também: 
Secretaria de Saúde pede afastamento de suspeito de jogar soda cáustica na ex
Jovem atacada com soda cáustica registrara três BOs em menos de um mês contra ex-marido
Jovem atacada com soda cáustica pelo ex-companheiro é transferida para UTI

O crime ocorreu na noite de 4 de julho, no bairro de Nova Descoberta, Zona Norte do Recife. Desde estão, a jovem está internada na UTI do Hospital da Restauração e segue em estado grave. Inicialmente, a unidade de saúde informou que a substância que atingiu a vítima era soda cáustica, mas polícia encontrou no local do crime uma garrafa com um rótulo de “ácido sulfúrico”. O material foi encaminhado para análise da perícia. A assessoria de imprensa do hospital informou que, independentemente da substância utilizada, isso não interfere no tratamento. Mayara teve 38% do corpo queimado.

A decisão de cometer o crime teria sido tomada depois de um desentendimento entre Mayara e a atual esposa dele, no dia 1º de julho. “William disse que comprou o produto para desentupir uma encanação em casa e, quando percebeu que a substância queimava a pele, o que é pouco crível porque ele era agente de saúde, decidiu dar esse ‘susto’”, relatou Bruna Falcão.

Ainda durante o depoimento, William negou que tenha participado da execução do crime. "Ele disse que deu a garrafa com o ácido sulfúrico a Paulo [Henrique Vieira dos Santos, 23], mas fugiu porque não quis nem ver ele jogando a substância nela", informou a investigadora.

A versão contradiz o depoimento de Paulo Henrique, que disse ter apenas segurado Mayara enquanto o outro agressor jogava a substância nela. A delegada afirmou que vai ouvir mais uma testemunha para esclarecer quem teria feito a ação.

Durante o tempo em que ficou foragido, William disse ter ido primeiro a Itamaracá e ficou vagando pela Praia do Pilar. Ele falou ainda que, ao não conseguir uma vaga em alguma pousada, voltou a Recife já na madrugada de sexta-feira (5), após o crime. Até o momento de se entregar, teria mudado de local várias vezes.

Ainda não está definido por que tipo de crime William César e Paulo Henrique vão responder. De acordo com a delegada Bruna Falcão, vai depender do quanto a saúde da vítima foi prejudicada. “Por enquanto, a gente tem materializado nos autos que eles praticaram lesão corporal grave. Dada a evolução do caso de Mayara, se houver novas consequências, isso pode ser mudado para lesão corporal gravíssima. E a gente ainda está fazendo diligências para saber a real intenção de William e, se a gente materializar nos autos que os dois queriam tirar a vida dela, respondem por tentativa de feminicídio”, afirmou. William César também vai responder por descumprimento de medida protetiva.

Veja também

Brasil terá maior fábrica de vacinas da América Latina
Vacina

Brasil terá maior fábrica de vacinas da América Latina

Senado aprova uso de recursos para compra de máscaras e álcool
notícias

Senado aprova uso de recursos para compra de máscaras e álcool