Temer, Dilma e Lula lamentam morte de Fidel Castro

Fidel "foi um líder de convicções", diz Temer; "o maior de todos", afirma Lula. Dilma disse que a morte do líder da revolução "é motivo de luto e dor"

Humberto Costa (PT) consegue manter a hegemonia do PT de Pernambuco no PED 2019Humberto Costa (PT) consegue manter a hegemonia do PT de Pernambuco no PED 2019 - Foto: Ascom Humberto Costa

O presidente da República, Michel Temer, comentou na manhã deste sábado (26) a morte do ditador cubando Fidel Castro, aos 90 anos. "Fidel Castro foi um líder de convicções. Marcou a segunda metade do século 20 com a defesa firme das ideias em que acreditava", afirmou Temer em nota.

Leia mais:
»Em Cuba, população se divide entre festa e lamento pela morte de Fidel
»Trump: Fidel Castro foi um "ditador brutal" que oprimiu seu povo
»O futuro incerto da ilha revolucionária ante a morte de Fidel
»Cuba declara nove dias de luto pela morte de Fidel Castro
»Veja a repercussão da morte do ditador cubano Fidel Castro
»Miami festeja a morte de Fidel e proclama uma "Cuba livre"
»Confira as principais datas da vida do ex-presidente cubano Fidel Castro
»Presidentes latino-americanos lamentam a morte de Fidel
»Fidel Castro morre em Cuba aos 90 anos


Presidente do Congresso Nacional, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) lamentou o fato e destacou que Fidel, "a despeito de suas convicções e ideologias políticas, foi um homem que marcou a história mundial". "Em momento como este, devemos nos lembrar que posições políticas diferentes, desde que respeitados valores democráticos, contribuem para enriquecer nossa história".

Líderes mundiais também se manifestaram sobre a morte de Fidel, que foi um símbolo da revolução cubana em 1959 e permaneceu no poder por 49 anos. A morte de Fidel foi informada no final da noite de sexta (24) em pronunciamento na televisão estatal por seu irmão Raúl. "Em cumprimento da vontade expressa do companheiro Fidel, seus restos serão cremados nas primeiras horas" de sábado.

O cubano renunciou em favor do irmão em 2008. Mesmo sem estar na Presidência, permaneceu como o grande poder da ilha. Sua morte marca o fim de uma era de longos discursos e frases emblemáticas.

Hasta siempre
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que Fidel foi "o maior de todos os latino-americanos". O petista afirmou que seu relacionamento com o cubano, que remonta aos anos 1980, foi "afetuoso e intenso, baseado na busca de caminhos para a emancipação de nossos povos".

"Sinto sua morte como a perda de um irmão mais velho, de um companheiro insubstituível, do qual jamais me esquecerei", disse Lula em nota publicada em sua página no Facebook.

"Será eterno seu legado de dignidade e compromisso por um mundo mais justo. Hasta siempre, comandante, amigo e companheiro Fidel Castro", completou o petista. A ex-presidente Dilma Rousseff disse que a morte do líder da revolução "é motivo de luto e dor".

A petista diz que "sonhadores e militantes progressistas, todos que lutamos por justiça social e por um mundo menos desigual" acordaram tristes neste sábado. "Fidel foi um dos mais importantes políticos contemporâneos e um visionário que acreditou na construção de uma sociedade fraterna e justa, sem fome nem exploração, numa América Latina unida e forte. Um homem que soube unir ação e pensamento, mobilizando forças populares contra a exploração de seu povo. Foi também um ícone para milhões de jovens em todo o mundo", disse a ex-presidente na nota.

"Meus mais profundos sentimentos à família Castro, aos filhos e netos de Fidel, ao seu irmão Raul e ao povo cubano. Minha solidariedade e carinho neste momento de dor e despedida", afirma Dilma. "Hasta siempre, Fidel!", encerra a ex-presidente.

Veja também

Milhares de libaneses nas ruas para protestar e exigir respostas das autoridades
Líbano

Milhares de libaneses nas ruas para protestar e exigir respostas das autoridades

Primeiro-ministro do Líbano anuncia que vai propor eleições antecipadas após explosões
Líbano

Primeiro-ministro do Líbano anuncia que vai propor eleições antecipadas após explosões