Notícias

Tragédia da Tamarineira: MPPE denuncia motorista por triplo homicídio e duas tentativas

Colisão causou a morte de três pessoas no Recife. Hospitalizados, seguem pai e filha

João Victor RibeiroJoão Victor Ribeiro - Foto: Divulgação

Três dias depois de receber o inquérito da Polícia Civil, o Ministério Público de Pernambuco denunciou João Victor Ribeiro de Oliveira Leal, de 25 anos, por triplo homicídio duplamente qualificado e duas tentativas de homicídio.

Alcoolizado, o jovem dirigia o veículo que bateu, no último dia 26, no bairro da Tamarineira, no Recife, no carro conduzido pelo advogado Miguel Arruda da Motta Silveira Filho,  46 anos, e que provocou a morte da advogada Maria Emília Guimarães, de 39; da babá Roseane Maria de Brito Souza, de 23, que estava grávida; e do filho do casal, Miguel Neto, que faria 4 anos este mês.

Leia também:
Internado, Miguel manda flores para esposa que morreu em acidente
Comoção na missa de 7º dia pelas vítimas do acidente na Tamarineira
Emoção marca missa em homenagem a babá Roseane, vítima de colisão na Tamarineira

A denúncia, feita na tarde desta quinta-feira (7) pela promotora de Justiça Ana Maria Sampaio Barros de Carvalho, entendeu que houve tentativa de homicídio em relação às vítimas sobreviventes, o advogado e a filha Marcela, de 5 anos - ambos seguem internados no Hospital Santa Joana. A Polícia havia indiciado João Victor por triplo homicídio com dolo eventual e concurso formal e lesão corporal grave com perigo de vida, e não tentativa de homicídio.

A denúncia do MPPE aponta duas qualificadoras: a impossibilidade de defesa das vítimas e o perigo comum a quem trafegava no local (motoristas, motociclistas, ciclistas e/ou pedestres). Também aponta como agravante a presença, no carro atingido, de duas crianças e uma gestante. 

A denúncia está na Primeira Vara do Tribunal do Júri da Capital, presidida pelo juiz Ernesto Bezerra Cavalcanti, e, se aceita, começará a etapa de instrução processual. Aceitando a denúncia, o magistrado terá até dez dias para citar João Victor para responder à acusação.

Prisão preventiva e suspensão da CNH
O Ministério Público também pediu a manutenção da prisão preventiva do acusado, que se encontra no Centro de Observação Criminológica e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife. "Um automóvel nas mãos do denunciado é um instrumento para a prática de crimes e, deflui do que foi apurado no Inquérito Policial, que se colocado em liberdade, voltará a praticar conduta semelhante, estando vulnerada a Ordem Pública", afirma a denúncia. 
O MPPE também requereu a suspensão da Carteira Nacional de Habilitação de João Victor e "posterior declaração de inabilitação para dirigir veículo, nos termos do artigo 92, inciso III do Código Penal".

Inquérito
A Polícia Civil havia concluído o inquérito do caso na última segunda-feira (4) e, na coletiva de imprensa realizada no dia seguinte, foi dito que João Victor poderia ser condenado até a 70 anos de prisão.

Na investigação, ao todo, 22 pessoas foram ouvidas, sendo sete testemunhas oculares, dois amigos de João Victor, o médico que atendeu o jovem na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), dois garçons do AutoBar e três pessoas que foram proprietárias do carro que ele dirigia. O inquérito policial foi concluído, em apenas oito dias, pelo delegado Paulo Jean, da Delegacia de Polícia de Delitos de Trânsito.

A investigação apontou que, além de atravessar o sinal vermelho, o jovem trafegava a 108 km/h quando o máximo da via era 60 km/h, e o teste de alcoolemia registrou nível de 1,03 miligrama de álcool por litro de ar, patamar mais de três vezes superior ao limite permitido por lei.

Entenda o caso
O Ford Fusion, placa NMN 3336, que era conduzido por João Victor Ribeiro de Oliveira Leal, 25 anos, trafegava em alta velocidade e ultrapassou um sinal vermelho às 19h32 do último dia 26, às 19h32, na esquina da rua Cônego Barata com a avenida Conselheiro Rosa e Silva, no bairro da Tamarineira, na Zona Norte do Recife, atingindo um Toyota RAV4, placa DEZ 9493, onde estava uma família. A mãe, Maria Emília Guimarães, de 39; e a babá Roseane Maria de Brito Souza, de 23, que estava grávida, morreram na hora. O filho do casal, Miguel Neto, que faria 4 anos este mês, faleceu no hospital, durante cirurgia para conter uma hemorragia abdominal.

Condutor do SUV da família, o pai, Miguel Arruda da Motta Silveira Filho, de 46 anos, e a filha Marcela, de 5, continuam internados no Hospital Santa Joana, na região central do Recife. De acordo com o último boletim divulgado pela unidade de saúde, no fim da tarde desta quinta (7), o advogado Miguel Arruda da Motta Silveira foi transferido para o quarto está em reabilitação física, com melhora clínica diária. A menina Marcela permanece em estado grave, porém estável, e respirando com a ajuda de aparelhos.

Veja também

Casa real britânica não divulgará relatório de "assédio" de Meghan Markle
Família real

Casa real britânica não divulgará relatório de "assédio" de Meghan Markle

YouTube tira do ar o canal da Assembleia Legislativa de SP após vídeo negacionista sobre Covid
Negacionismo

YouTube tira do ar o canal da Assembleia Legislativa de SP após vídeo negacionista sobre Covid