Agressor de Bolsonaro é enquadrado na Lei de Segurança Nacional

Segundo o deputado Fernando Francischini (PSL-PR)., agressor Adélio Bispo de Oliveira foi enquadrado na Lei de Segurança Nacional porque a motivação foi política e religiosa

Adélio Bispo de Oliveira deu uma facada no então candidato a presidente Jair  Bolsonaro (PSL) em setembro de 2018Adélio Bispo de Oliveira deu uma facada no então candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) em setembro de 2018 - Foto: Cortesia/WhatsApp

O agressor do candidato Jair Bolsonaro, Adélio Bispo de Oliveira, foi enquadrado pela Polícia Federal na Lei de Segurança Nacional (LSN) segundo o deputado federal Fernando Francischini (PSL-PR). Ele falou com a imprensa na tarde desta sexta-feira (7), em frente à sede da PF, em Juiz de Fora (MG).

“Ele foi indiciado na Lei de Segurança Nacional, no Artigo 20, já que a motivação dele, que assumiu no depoimento do auto de prisão em flagrante, foi política e religiosa. Agora queremos saber se essa motivação teve auxílio, apoio ou se houve um mandante intelectual para essa ação”, disse Francischini.

Leia também:
Ministro diz que PF alertou Bolsonaro e que não se pode descartar motivação política
Segunda pessoa é investigada no ataque a Bolsonaro
Boletim diz que Bolsonaro está consciente e com boa condição clínica

O deputado, que é líder do PSL, anunciou que vai fazer um pedido para que Adélio fique em prisão preventiva em um presídio federal, pois teme que ele possa aparecer morto em uma queima de arquivo. O agressor vai ser ouvido, às 16h, na Justiça Federal de Juiz de Fora, quando será determinado o seu destino. Segundo Francischini, não houve falha da PF, ao permitir que o agressor se aproximasse armado do candidato.

“A segurança foi efetiva. Foi graças à ação rápida da PF que ele está vivo. O desvio da faca por um braço foi de um policial federal, que evitou que a facada pudesse ter sido diretamente no coração. A PF agiu dentro do que era necessário para salvar a vida dele”, destacou o deputado.

Em nota, a PF informou que não comenta detalhes de investigações em andamento: "tanto os superintendentes regionais quanto o diretor-geral são porta-vozes do órgão. Entretanto, não há, até o momento, previsão de concessão de entrevista coletiva".

Veja também

Comando Conjunto Nordeste realiza ações de combate ao novo coronavírus em Pernambuco
Serviço

Comando Conjunto Nordeste realiza ações de combate ao novo coronavírus em Pernambuco

Brasil registra 1.254 mortes pela Covid-19 nas últimas 24h
Coronavírus

Brasil registra 1.254 mortes pela Covid-19 e mais de 45 mil infectados nas últimas 24h