Alckmin muda tom e condena ataque à caravana de Lula

Dois dos três ônibus da caravana do ex-presidente foram atingidos por quatro tiros. Ninguém se feriu.

A música, em ritmo sertanejo, foi aprovada neste domingo (26) por Alckmin A música, em ritmo sertanejo, foi aprovada neste domingo (26) por Alckmin  - Foto: Reprodução

Um dia depois de afirmar que os petistas "estão colhendo o que plantaram" com o ataque a tiros à caravana de Lula, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), modulou o discurso e publicou nas redes sociais que "toda forma de violência tem que ser condenada".

"É papel das autoridades apurar e punir os tiros contra a caravana do PT", disse em texto publicado na manhã desta quarta (28), mas acrescentou uma crítica aos adversários políticos: "E é papel de homens públicos pregar a paz e a união entre os brasileiros. O país está cansado de divisão e da convocação ao conflito."

O tucano havia dito a primeira frase na noite desta terça (27), antes de assistir à pré-estreia de "Nada a Perder", cinebiografia do bispo Edir Macedo. Alckmin é pré-candidato à Presidência da República. Na ocasião, ele havia acrescentado que não defende a violência, e sim "o debate de ideias".

Leia também:
PT 'colhe o que planta', diz Alckmin sobre ataque a tiros a caravana de Lula
Ônibus da caravana de Lula é atingido por três tiros, segundo organizadores


O ataque à comitiva de Lula aconteceu na cidade de Quedas de Iguaçu, no Paraná. Dois dos três ônibus da caravana do ex-presidente foram atingidos por quatro tiros. Um dos veículos, que era ocupado por jornalistas e era o último do comboio, teve duas perfurações na lataria -dos dois lados.

Outro tiro atingiu de raspão um dos vidros do mesmo veículo. Ninguém se feriu. O outro ônibus atingido por um tiro levava convidados e estava no meio da comitiva, onde geralmente segue o veículo do ex-presidente. Lula estava no ônibus da frente.

Veja também

PSOL não renega origem radical, mas amadureceu, diz presidente nacional do partido
Entrevista

PSOL não renega origem radical, mas amadureceu, diz presidente nacional do partido

De patriotismo a pedagogia cívica, veja críticas e defesas do voto obrigatório
Eleições

De patriotismo a pedagogia cívica, veja críticas e defesas do voto obrigatório