Após decisão do STF, Câmara terá comissão especial para discutir aborto

Comissão vai discutir PEC que trata de licença-maternidade de prematuros, mas com intenção de incluir legislação mais dura sobre aborto

Governador estava acompanhado do deputado Fernando Monteiro (PP) e do presidente da Compesa, Roberto Tavares, nesta segunda (5), em reunião com o ministro da Integração Nacional, Antônio de PáduaGovernador estava acompanhado do deputado Fernando Monteiro (PP) e do presidente da Compesa, Roberto Tavares, nesta segunda (5), em reunião com o ministro da Integração Nacional, Antônio de Pádua - Foto: Divulgação/SEI

Após a decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) de descriminalizar o aborto no primeiro trimestre da gravidez, ao julgar um caso concreto, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou a criação de uma comissão especial para debater o aborto no país. A decisão do STF foi tomada na noite de terça-feira (29).

Leia mais:
Aborto até o terceiro mês não é crime, entende STF


A comissão especial vai discutir a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 58/2011 que trata de licença-maternidade no caso de bebês prematuros, mas a intenção é incluir a questão do aborto de forma a tornar mais rígida a legislação sobre interrupção de gravidez.

Rodrigo Maia anunciou ontem a criação da comissão e hoje (30) comentou o assunto ao chegar à Casa. Ele disse que sempre que houver o entendimento de que o Supremo legislou, a Casa irá deliberar sobre o tema.

“Tenho discutido com muitos líderes que, às vezes, o Supremo legisla. Entendemos que isso aconteceu ontem e minha posição, discutindo com líderes, é que toda vez que entendemos que isso acontece nossa obrigação é responder, por que há uma interferência do Poder Legislativo”, disse.

“A criação da comissão especial é uma resposta dizendo: entendemos que há uma prerrogativa que foi usurpada da Câmara, do Congresso, e vamos cumprir nosso papel. Se entendemos que houve uma interferência no Congresso Nacional nosso papel é legislar, seja ratificando ou retificando a decisão do Supremo”, completou Maia.

O presidente da Câmara pediu agilidade dos líderes na indicação dos integrantes do novo colegiado. A expectativa, segundo Maia, é que a comissão seja instalada até a próxima terça-feira (6).

A decisão da Primeira Turma do STF foi tomada com base no voto do ministro Luís Roberto Barroso. Para o ministro, a criminalização do aborto nos três primeiros meses da gestação viola os direitos sexuais e reprodutivos da mulher, o direito à autonomia de fazer suas escolhas e o direito à integridade física e psíquica. O caso julgado pelo colegiado tratava da revogação de prisão de cinco pessoas detidas em uma operação da polícia do Rio de Janeiro em uma clínica clandestina, entre elas, médicos e outros funcionários.

Veja também

STF invalida uso de delação de Palocci divulgada por Moro em ação penal contra Lula
justiça

STF invalida uso de delação de Palocci divulgada por Moro em ação penal contra Lula

Jorge Oliveira, da Secretaria-Geral, é o oitavo ministro de Bolsonaro com Covid-19
Coronavírus

Jorge Oliveira é o oitavo ministro de Bolsonaro com Covid-19