'Até o final de novembro a gente completa os ministérios', diz Bolsonaro

A afirmação foi feita nesta terça (6), em chegada para almoço no Ministério da Defesa, em Brasília

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL)O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL) - Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou nesta terça-feira (6) que concluirá, até novembro, a montagem dos ministérios de seu governo. "Até o final do mês a gente completa os ministérios, se Deus quiser", disse ao chegar para um almoço no Ministério da Defesa.

Bolsonaro pretende reduzir a atual estrutura, de 29 pastas, para um máximo de 17. A equipe de transição ainda discute as fusões de alguns ministérios que são consideradas polêmicas. É o caso da junção, por exemplo, de Agricultura e Meio Ambiente e de Comércio Exterior à pasta da Economia, que será comandada por Paulo Guedes.

Até o momento, o presidente eleito já anunciou os nomes de cinco futuros ministros: Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Paulo Guedes (Economia), general Augusto Heleno (Defesa), Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia). Bolsonaro, que veio pela primeira vez a Brasília desde a eleição, disse estar com saudades de seus colegas.

Leia também:
Bolsonaro avalia extinção do Ministério do Trabalho
Hoje aliado de Bolsonaro, Magno Malta já foi cabo eleitoral de Dilma
Bolsonaro está em Brasília e cumpre agenda intensa
Bolsonaro diz que aprovar idade mínima de servidor este ano é 'grande passo'
FHC e Bolsonaro trocam farpas nas redes sociais


Ele participou mais cedo de cerimônia em comemoração aos 30 anos da promulgação da Constituição Federal, no Congresso. O presidente eleito não quis confirmar o nome do senado Magno Malta para um de seus ministérios. Malta concorreu à reeleição, mas foi derrotado nas urnas.

"Já estamos conversando aqui. O que nós não podemos é anunciar alguém e dizer que mudou ou que não é mais. O Magno Malta é uma pessoa que me ajudou muito antes mesmo da minha campanha e seria meu vice. Ele que decidiu não sê-lo. Não teve, lamentavelmente sucesso no Senado, mas nós não podemos prescindir do apoio dele na formação neste governo", disse.

Malta é cotado para assumir a junção das pastas de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos. A possível indicação, contudo, já rendeu críticas inclusive de aliados de Bolsonaro.

Veja também

Paulo Câmara exonera cinco servidores para disputar as eleições de 2020
blog da folha

Paulo Câmara exonera cinco servidores para disputar as eleições de 2020

Novo ministro, Feder já defendeu extinção do MEC e privatização do ensino
Ministério

Novo ministro, Feder já defendeu extinção do MEC e privatização do ensino