Bolsonaro acolherá sugestões de vetos ao PL do Abuso de Autoridade

O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados em agosto e seguiu para sanção presidencial. Desde então, Bolsonaro tem ouvido integrantes de seu governo, mais notadamente Sergio Moro

O presidente Jair Bolsonaro falou com a imprensa no Palácio da AlvoradaO presidente Jair Bolsonaro falou com a imprensa no Palácio da Alvorada - Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nessa quarta-feira (4), que acolherá as sugestões de vetos que recebeu da sua equipe sobre o Projeto de Lei (PL) do Abuso de Autoridade. O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados em agosto e seguiu para sanção presidencial. Desde então, Bolsonaro tem ouvido integrantes de seu governo, mais notadamente o ministro da Justiça, Sergio Moro.

“Nessa quinta-feira o governo se manifestará sobre o PL 7.596 de 2017 - Abuso de Autoridade. Ouvidos os ministros da Justiça, AGU, CGU e Secretário Geral, decidi acolher, integralmente, suas manifestações de vetos”, disse Bolsonaro, no Twitter.

Leia também:
Governo associa PSDB ao PT e Doria compara Bolsonaro a Lula
Questão da Amazônia nasceu com ataques de Bolsonaro, diz ex-diretor do Inpe
Corte no Orçamento é para que país decole antes de 2022, diz Bolsonaro


O presidente também afirmou que se manifestará oficialmente amanhã (5) sobre o tema. Ele adiantou, no entanto, que apesar dos seus vetos à matéria, sua essência será preservada. Bolsonaro lembrou ainda que seus vetos poderão ser derrubados pelo Congresso Nacional, em sessão conjunta de Câmara e Senado.

Pelo projeto de lei, poderá ser considerado abuso de autoridade obter provas por meios ilícitos; executar mandado de busca e apreensão em imóvel, mobilizando veículos, pessoal ou armamento de forma ostensiva, para expor o investigado a vexame; impedir encontro reservado entre um preso e seu advogado e decretar a condução coercitiva de testemunha ou investigado sem intimação prévia de comparecimento ao juízo.

No total, a proposta apresenta 37 ações que poderão ser consideradas abuso de autoridade, quando praticadas com a finalidade específica de prejudicar alguém ou beneficiar a si mesmo ou a terceiro. O PL foi criticado por membros do Judiciário e do Ministério Público.

Veja também

Bretas diz que há um mês pediu a retirada de sua imagem da propaganda eleitoral de Crivella
justiça

Bretas diz que há um mês pediu a retirada de sua imagem da propaganda eleitoral de Crivella

CNJ autoriza realização de audiências de custódia virtuais
justiça

CNJ autoriza realização de audiências de custódia virtuais