Bolsonaro constrange francês e dá munição a opositor de UE-Mercosul

Folha de S.Paulo ouviu de diplomatas ligados à visita de embaixador francês; sentimento do chanceler variou da frustração inicial à genuína irritação

Bolsonaro tinha encontro marcado com embaixador francês às 15h de segunda-feira (29), mas cancelou e fez uma live no facebookBolsonaro tinha encontro marcado com embaixador francês às 15h de segunda-feira (29), mas cancelou e fez uma live no facebook - Foto: Reprodução / Facebook

Os 12 minutos da live feita por Jair Bolsonaro (PSL) enquanto cortava o cabelo podem não ter jogado fora os 20 anos de costura do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia, mas arriscam atrapalhar o ritmo da aprovação do pacto. O motivo foi o compromisso que o presidente brasileiro cancelou para logo depois discorrer na internet sobre a morte, na ditadura, do pai do atual presidente da Ordem dos Advogados do Brasil.

Era um encontro, às 15h de segunda-feira (29), com o poderoso chanceler francês, Jean-Yves Le Drian, considerado um dos braços direitos do presidente Emmanuel Macron. A Folha de S.Paulo ouviu de diplomatas ligados à visita de Le Drian que o sentimento do chanceler variou da frustração inicial à genuína irritação, quando a imagem do mandatário sob tosa surgiu no Facebook logo depois do período previsto da audiência.

Mesmo a versão oficial de que a agenda do presidente estava subitamente apertada não correspondia à verdade, segundo diplomatas em Paris. Na reunião que teve com o chanceler Ernesto Araújo, pela manhã, o brasileiro já havia dito que Bolsonaro ficara agastado com os mais recentes movimentos franceses em relação à política ambiental brasileira.

Em maio, Macron recebera o famoso cacique Raoni para falar de desmatamento da Amazônia, foco sensível do governo, que é atacado por ambientalistas por sua prioridade ao agronegócio. E o próprio Le Drian incluiu em sua agenda em Brasília encontro com o opositores da política de Bolsonaro, que veem como predatória.
Além disso, o interesse manifestado pelos franceses por um encontro com o vice-presidente, general Hamilton Mourão (PRTB), também desagradou a Bolsonaro.

Leia também:
Após elogio de Trump, Bolsonaro diz que deve formalizar indicação de Eduardo na próxima semana
'Não pode valer um lado só da história', diz Bolsonaro sobre crimes na ditadura
Tenho que seguir a lei, não sou ditador, diz Bolsonaro sobre novo bloqueio do Orçamento


O mandatário tem uma relação formal com o vice, que vê como alguém que não perde a oportunidade de mostrar-se mais qualificado e cosmopolita que o presidente. Mas a "agenda apertada" anunciada oficialmente resolveria a questão sem estardalhaço, como gostam os meios diplomáticos.

Le Drian voltaria para a França com o acerto da criação de um grupo de trabalho para monitoramento de parâmetros ambientais dos Acordos de Paris, que Bolsonaro queria abandonar, mas nos quais permaneceu para não prejudicar os negócios.
O chanceler francês seguiu viagem no Brasil nesta terça (30) em São Paulo, onde encontrou-se com o governador João Doria (PSDB).

Nenhum dos dois falou sobre o incidente da véspera, mas o tucano elaborou uma agenda para, segundo auxiliares, deixar uma boa impressão de saída a Le Drian.
Como em ocasiões anteriores, foi uma oportunidade para Doria diferenciar-se politicamente de Bolsonaro, com quem disputa faixa semelhante de eleitorado numa eventual disputa presidencial em 2022.

Facilitou a vida do governador o fato de ter morado na França na infância, falar francês e ter negócios a tratar. Seus planos de desestatização incluem três áreas que interessam muito a Paris: saneamento, setor ferroviário e aeroportos regionais.
Apesar do constrangimento, o incidente não deverá paralisar o processo do acordo Mercosul-União Europeia, como chegaram a temer alguns diplomatas brasileiros.
Um experiente negociador disse que o tropeço foi grave, mas que ao fim do dia o interesse econômico comum falará mais alto.

O que não quer dizer que o caso não será explorado politicamente em Paris, em especial pela má imagem externa que Bolsonaro já tem. Parlamentares ligados ao sempre protecionista setor agropecuário do país já vinham dizendo que o mínimo para a aprovação do texto seria um prazo de dois anos.

O Ministério da Economia brasileiro trabalha com um ano e meio, uma previsão otimista. O acordo, assinado em 28 de junho, derrubará 90% das tarifas comerciais entre os dois blocos, que somam 773 milhões de pessoas. A União Europeia é a segunda maior compradora de bens do Mercosul (20% do total), ficando atrás da China.

No ano passado, os europeus venderam € 42,6 bilhões para os países do bloco sul-americano e compraram em troca € 45 bilhões. O Brasil crê que em 15 anos poderá ter um incremento equivalente a 7% do PIB atual com oportunidades comerciais.
O pacto tem um longo caminho para entrar em vigor.

Ele precisa ser ratificado pelo Executivo de todos os países do 32 países dos blocos e também pela Comissão Europeia. Depois, pelo Parlamento Europeu e pelo do Mercosul, além de todos os Legislativos nacionais. A França, apesar do interesse de Macron em tocar as negociações, é um dos países em que mais há resistências devido ao peso dos agricultores na política nacional.

Em entrevista à Folha de S.Paulo antes da ida ao Brasil, Le Drian dissera não esperar um endosso oficial de Macron ao texto antes do fim de 2020. "Temos com a França um dos relacionamentos mais completos que se pode ter com outro país", afirma o embaixador do Brasil em Paris, Luís Fernando Serra, recém-chegado ao posto. "Inclui cooperação científica, operação naval [construção de submarinos], gestão de fronteiras. A mensagem do acordo é clara: sim ao multilateralismo, estamos juntos em favor dele."

Veja também

Nena Cabral quer construir três novas unidades de saúde no Paulista
Eleições 2020

Nena Cabral quer construir três novas unidades de saúde no Paulista

Carlos quer explorar potencial turístico dos mercados públicos do Recife
Eleições 2020

Carlos quer explorar potencial turístico dos mercados públicos do Recife