Bolsonaro diz que iniciará 'rígido controle de concessões' da Lei Rouanet

Na avaliação de Bolsonaro, há 'claro desperdício rotineiro de recursos que podem ser aplicados em áreas essenciais'

Presidente eleito Jair BolsonaroPresidente eleito Jair Bolsonaro - Foto: José Cruz / Agência Brasil

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou nesta quarta-feira (26), em sua conta pessoal no Twitter, que sua gestão vai exercer controle rígido sobre isenções fiscais relacionadas à Lei Rouanet.

Na avaliação de Bolsonaro, há "claro desperdício rotineiro de recursos que podem ser aplicados em áreas essenciais". Como exemplo, ele cita um executivo de Furnas, maior subsidiária da Eletrobras.

"Neste mês, num só dia, o gerente de responsabilidade sociocultural de Furnas autorizou, via Lei Rouanet, R$ 7,3 milhões para 21 entidades", escreveu o futuro presidente no post. "Em 2019, iniciaremos rígido controle de concessões", anunciou.

Leia também:
Gestão da Lei Rouanet hoje detecta e impede fraudes, diz Sá Leitão
Novo secretário de Cultura já estuda as leis de incentivo


No governo Bolsonaro, o MinC (Ministério da Cultura) será transformado em secretaria e incorporado ao novo Ministério da Cidadania, que também absorverá o Ministério do Esporte e o Ministério do Desenvolvimento Social.

O deputado Osmar Terra (MDB-RS), ex-ministro de Desenvolvimento Social do governo Michel Temer, comandará a nova pasta. Terra escolheu o professor gaúcho Henrique Medeiros Pires, um gestor com experiência em instituições públicas e privadas, para chefiar a futura Secretaria de Cultura.

A Lei Rouanet tem sido alvo de acaloradas discussões por parte da sociedade e da classe política. Segundo pesquisa realizada pela FGV (Fundação Getulio Vargas) sob encomenda do Ministério da Cultura, a Lei Rouanet movimentou quase R$ 50 bilhões entre 1993 e 2018.

A cifra é a soma de impacto direto (R$ 31 bilhões) e indireto (R$ 18,5 bilhões) no período analisado. O número supera o valor da renúncia fiscal concedida pelo mecanismo de incentivo, que foi de R$ R$ 17,6 bilhões desde 1993, em valores nominais - em valores corrigidos, totalizam R$ 31 bi.

Atualmente, o MiC é responsável pela aprovação de projetos inscritos na lei, principal instrumento de financiamento de atividades culturais no Brasil.

Uma vez aprovado o projeto, empresas e pessoas físicas podem participar da captação, doando ou patrocinando projetos culturais aprovados pelo órgão. O valor é depois descontado do Imposto de Renda.

Veja também

Apoiadora de Bolsonaro antecipou contagem que levou MP-RJ a perder prazo contra foro especial a Fláv
justiça

Apoiadora de Bolsonaro antecipou contagem que levou MP-RJ a perder prazo contra foro especial a Fláv

Tribunal suspende temporariamente investigação contra Guedes
Justiça

Tribunal suspende temporariamente investigação contra Guedes