Bolsonaro diz que vai propor criação de urna 'auditável'

'Você vai mudar a forma, nós podemos mudar tudo, até a Constituição', afirmou o candidato PSL, sem explicar como isso impactaria na adoção do voto impresso

urna eletrônicaurna eletrônica - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

Defensor da volta do voto impresso, o candidato Jair Bolsonaro (PSL) afirmou neste sábado (13) que vai propor uma nova urna eletrônica. A declaração foi feita ao final de uma sessão de gravações para o programa de TV, na zona sul do Rio de Janeiro. Bolsonaro disse que defende uma forma de votação confiável para 2020.

Sem apresentar evidências de fraude, ele vem questionando ao longo da campanha a confiabilidade da urna eletrônica. Neste sábado, ele primeiro disse que proporia a criação do voto impresso em combinação com o atual modelo eletrônico. "É uma forma tranquila de votar, você aproveita a urna eletrônica, mas você tem rapidamente como provar com o voto de papel do lado o resultado das eleições", afirmou.

Leia também:
TSE fecha urna eletrônica e confirma 13 candidatos à Presidência
Urna eletrônica é totalmente confiável, diz Toffoli sobre críticas de Bolsonaro
TSE encontra três falhas no sistema da urna eletrônica em teste de segurança


O voto impresso foi aprovado pelo Congresso em 2015, mas foi barrado depois por decisão do STF (Supremo Tribunal Federal). Questionado sobre se sua proposta não enfrentaria problemas com o Judiciário, que rejeitou a medida, ele então propôs "uma nova urna". "Você vai mudar a forma, nós podemos mudar tudo, até a Constituição", afirmou, sem explicar como isso impactaria na adoção do voto impresso.

"O Supremo decidiu que o voto impresso não cabe, tudo bem. Agora, uma nova urna eletrônica mesmo, mas com o poder de ser auferida isso nos vamos propor sim."

Veja também

Foragido da justiça italiana é preso em Pernambuco
Justiça

Foragido da justiça italiana é preso em Pernambuco

Encontro de líderes de Israel e da Arábia Saudita marca nova etapa no Oriente Médio
internacional

Encontro de líderes de Israel e da Arábia Saudita marca nova etapa no Oriente Médio