Bolsonaro interrompe desfile militar e faz gesto de apoio a Moro

Em um gesto de apoio público, ele chamou o ministro da Justiça, Sergio Moro, e desfilou abraçado a ele pela Esplanada dos Ministérios

Presidente Jair Bolsonaro e Sergio MoroPresidente Jair Bolsonaro e Sergio Moro - Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro quebrou o protocolo neste sábado (7) e interrompeu a parada de Sete de Setembro. Em um gesto de apoio público, ele chamou o ministro da Justiça, Sergio Moro, e desfilou abraçado a ele pela Esplanada dos Ministérios.

O aceno ocorreu após uma semana de constrangimentos entre ambos. Em café da manhã com a Folha, Bolsonaro sinalizou a troca do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, o que seria mais uma ingerência do presidente na pasta.

A descida do presidente do camarote de autoridades não era prevista e pegou de surpresa o GSI (Gabinete de Segurança Institucional), que teve de organizar um esquema de segurança de última hora.

Leia também:
Bolsonaro abre desfile da Independência com Silvio Santos e Edir Macedo
Desfile celebra 197 anos de independência do Brasil

O presidente desceu inicialmente sozinho. Depois, acenou para que Moro o acompanhasse. Além dele, caminharam ao lado de Bolsonaro os ministros Augusto Heleno (GSI) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil).

Os empresários Silvio Santos (SBT), Edir Macedo (Record) e Marcelo de Carvalho (RedeTV), que acompanharam a parada na tribuna de autoridades, preferiram não participar da caminhada do presidente.

Na tentativa de demonstrar que conta com apoio público, no momento em que a rejeição ao seu governo enfrenta uma queda, Bolsonaro cumprimentou simpatizantes à sua administração e brincou de reger a orquestra dos Dragões da Independência.

Mais tarde, em um novo aceno, o presidente vestiu um boné da PRF (Polícia Rodoviária Federal) durante a passagem do grupamento motorizado e aplaudiu o contingente da Polícia Federal.

No último mês, a popularidade de Bolsonaro enfrentou uma erosão. A mais recente pesquisa Datafolha mostrou o aumento de 33% para 38% na reprovação de sua gestão de julho a agosto, com perda de apoio entre os mais ricos e os mais escolarizados.

Para a cerimônia deste ano, ele liberou mais recursos do que seu antecessor, Michel Temer, e convidou religiosos, empresários e militares simpáticos ao seu governo.

A área reservada a autoridades foi reforçada pelos apoiadores do presidente.

Além dos empresários da comunicação, foram convidados pelo Palácio do Planalto estavam presentes Luciano Hang, da Havan, o núncio apostólico no Brasil, dom Giovanni D'Anielo, e o embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley.

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, não compareceram. Maia viajou para o Catar e Toffoli, para a Inglaterra.

Neste ano, a segurança foi reforçada. Havia barreiras impedindo o acesso de pessoas sem convites ao prédio do Ministério da Defesa.

Veja também

"Acho perigoso chamar críticos de detratores", diz jornalista pernambucano citado em lista polêmica
Governo Federal

"Acho perigoso chamar críticos de detratores", diz jornalista pernambucano citado em lista polêmica

Humberto elogia campanha de Marília e diz que urnas colocaram PT como oposição a João Campos
PT x PSB

Humberto elogia campanha de Marília e diz que urnas colocaram PT como oposição a João Campos