Caixa nomeia interinos para as vagas de vices afastados

Integrantes do colegiado disseram que o propósito é destituir definitivamente todos os executivos citados em investigações

Sede da Caixa Econômica Federal em BrasíliaSede da Caixa Econômica Federal em Brasília - Foto: Divulgação

A tendência do atual Conselho de Administração da Caixa Econômica Federal é de não reconduzir nenhum dos quatro vice-presidentes do banco que foram afastados de seus cargos por 15 dias. São eles: Deusdina dos Reis Pereira (Fundos de Governo e Loterias), Roberto Derziê de Sant'Anna (Governo), Antônio Carlos Ferreira (área Corporativa) e José Henrique Marques da Cruz, chefe da área de Clientes, Negócios e Transformação Digital.

Integrantes do colegiado, ouvidos reservadamente pela reportagem, disseram que o propósito é destituir definitivamente todos os executivos citados em investigações do Ministério Público Federal. A avaliação deles é de que a volta de dirigentes sob suspeita compromete a imagem do banco, que passa por um momento delicado, de ajuste às novas regras internacionais de solidez bancária.

Leia também
Auditoria contratada pela Caixa sugere investigar presidente do banco
MPF: Temer pode ser responsabilizado por ilícitos na Caixa


Além disso, a eventual manutenção dos dirigentes poderia motivar ações do Banco Central e da Procuradoria da República no Distrito Federal, que recomendaram as exonerações. A lei 4.595, de 1964, que dispõe sobre as instituições financeiras, prevê que diretores de bancos públicos devem ter reputação ilibada, não podendo pesar contra eles notícias de envolvimento em corrupção e em casos de ingerência política na gestão, como ocorreu no caso da Caixa.

Investigação
Partiu do próprio conselho a iniciativa de estimular investigações internas do banco, que indicaram possíveis irregularidades na gestão e em operações da instituição.
O afastamento dos vices foi anunciado pelo presidente Michel Temer na terça (16), após a Folha de S.Paulo revelar que o BC havia sugerido a troca dos vices.
Após a decisão, o governo informou que o novo estatuto deve ser aprovado na sexta (19).

O presidente da Caixa, Gilberto Occhi, disse que a atribuição de nomear e exonerar vice-presidentes deixará de ser do presidente da República e passará a ser do Conselho de Administração. O documento prevê a necessidade de tornar objetiva a escolha dos 12 vices da Caixa. Atualmente, quase todos são apadrinhados de partidos políticos.

Veja também

Mourão manifesta preocupação com incêndios na Amazônia
Meio Ambiente

Mourão manifesta preocupação com incêndios na Amazônia

Câmara discute transparência dos gastos públicos na pandemia

Câmara discute transparência dos gastos públicos na pandemia