Câmara mantém nova fórmula de cálculo de aposentadorias

Destaques eram do PT

Reforma da PrevidênciaReforma da Previdência - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O plenário da Câmara dos Deputados rejeitou dois destaques do PT que pretendiam reverter a mudança na fórmula de cálculo das aposentadorias da reforma da Previdência. Com a decisão, está mantida a fórmula aprovada no texto-base, que considera o valor de 60% da média de todos os salários para quem se aposenta com o tempo mínimo de contribuição, com a elevação de dois pontos percentuais a cada ano adicional de contribuição.

O primeiro destaque, que pretendia manter a fórmula atual, que despreza os 20% das menores contribuições, foi rejeitado por 346 votos a 131. O segundo, que manteria a aposentadoria integral em todos os casos, foi rejeitado por 340 votos a 129.

No momento, o plenário analisa uma emenda para alterar a redação da emenda aprovada ontem (11) que suavizou as regras de pensões por morte. Eles querem especificar que a renda citada no cálculo das pensões vem de fonte formal (com salário de carteira assinada ou com benefícios do governo).

O texto-base tinha um trecho que permitiria ao pensionista receber menos de um salário mínimo se alguém na família tivesse outra fonte de renda. Agora, a renda que contará para o cálculo da pensão será apenas do viúvo ou da viúva. Caso o pensionista tenha um salário formal, receberá apenas 60% do salário médio do cônjuge falecido, mas, se perder a renda e cair na informalidade, a pensão automaticamente subirá para um salário mínimo.

Leia também:
Câmara aprova regras mais brandas para professores na reforma da Previdência
Câmara rejeita transição mais branda para trabalhadores na reforma da Previdência
Veja os pontos já aprovados que suavizam a reforma da Previdência

Essa é a última emenda que falta para encerrar a votação da reforma da Previdência em primeiro turno, cuja discussão começou na terça-feira (9). Em seguida, a comissão especial da reforma reúne-se para votar o texto em segundo turno.

O presidente da comissão especial, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), convocou sessão para as 20h30. Ele informou que pretende concluir ainda hoje a votação do novo texto, após a aprovação de emendas e de destaques no plenário. Segundo Ramos, a sessão deve durar três horas.

Veja também

Discussão sobre novo imposto não faz parte do contexto atual, diz Lira
Política

Discussão sobre novo imposto não faz parte do contexto atual, diz Lira

Para Mourão, 'ruído' sobre vacinação e crise em Manaus derrubou popularidade de Bolsonaro
Crise

Para Mourão, 'ruído' sobre vacinação e crise em Manaus derrubou popularidade de Bolsonaro