Candidatura de Joaquim pelo PL só com aval de Bruno Araújo

Tucano tem relação de amizade com os Ferreira

Anderson Ferreira, Bruno Araújo e André FerreiraAnderson Ferreira, Bruno Araújo e André Ferreira - Foto: divulgação

Presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo é aliado de primeira hora do prefeito Anderson Ferreira e do deputado federal André Ferreira. Recentemente, o gestor de Jaboatão dos Guararapes recebeu o dirigente nacional do tucanato na casa de praia em Serrambi. Bateram um papo, que envolveu política naturalmente. André, que é irmão de Anderson, não estava na ocasião, mas também foi à mesa com Bruno em outro almoço há poucos dias, quando houve quem brincasse sobre uma possível candidatura do ex-governador Joaquim Francisco à Prefeitura do Recife. A possibilidade, no entanto, foi aventada, considerando Joaquim no atual partido, o PSDB. Mas há uma ideia em paralelo sendo considerada de uma postulação de Joaquim pelo PL, sigla comandada por Anderson no Estado. Essa tese tem a ver com vincular essa candidatura em potencial ao presidente Jair Bolsonaro e ela exigiria, então, uma travessia de Joaquim.

No grupo dos Ferreira, no entanto, uma coisa é certa: isso não se daria à revelia de Bruno Araújo, cujo PSDB tem o governador João Doria como potencial candidato ao Planalto e trilhando, hoje, uma rota de distanciamento de Bolsonaro. O detalhe é que Bruno tem uma relação até de amizade familiar com os Ferreira. André, por exemplo, herdou municípios que eram bases eleitorais de Bruno, a exemplo de São Joaquim do Monte, Canhotinho e Vertentes. Se há uma relação familiar, há também um compromisso de caminharem juntos "seja para onde for". Esse é o entendimento que prevalece nos bastidores. Se não há uma conversa oficialmente aberta sobre eventual migração de Joaquim para o PL, nas coxias, se faz uma leitura de que pode haver uma "sementinha no coração" de Joaquim sobre o tema.

 

"Não será novidade", diz João
Após o ex-presidente Lula conceder entrevista ao UOL na qual defendeu a candidatura de Marília Arraes à Prefeitura do Recife, o deputado João Campos, à coluna, em primeira mão, externou, ontem, posição sobre o assunto: "Não será nenhuma novidade se o PT optar por uma candidatura própria a prefeito do Recife. Tem sido assim em todas as eleições municipais desde a redemocratização, inclusive em 2012 e 2016".
Aceita que... > João prosseguiu: "Neste momento difícil da política brasileira, em que direitos e conquistas sociais estão sendo ameaçados, nós do PSB achamos importante construir a unidade das forças progressistas”. Mas diz que respeita o PT, caso decida deixar a Frente Popular e correr em faixa própria".
...dói menos > Lula considerou, em sua fala, apoio ao socialista, no Recife, só em eventual 2º turno. "Vamos seguir buscando o caminho do diálogo e da construção coletiva de propostas para o Recife, Pernambuco e Brasil", arrematou João Campos.
Sintonia 1 > A fala de João Campos se dá alinhada à do senador Humberto Costa, que tem repisado que o PT costuma ter candidatura própria. O senador, na semana passada, à Rádio Folha, argumentou ser contra o PT "abrir um flanco" no campo da esquerda e defendeu a "polarização da esquerda contra a direita".
Sintonia 2 > Humberto tem observado que o próprio PSB é dividido em relação à aliança com o PT e que Pernambuco é dos poucos locais onde PSB e PT nutrem relação afinada.
De pé > Como antecipamos, Lula reúne, hoje, em São Paulo, lideranças do PT-PE para tratar do Recife. Humberto Costa, Marília Arraes e dirigentes locais devem participar. Será à tarde. 

Veja também

Justiça Eleitoral já registrou mais de 55 mil pedidos de candidaturas
Eleições 2020

Justiça Eleitoral já registrou mais de 55 mil pedidos de candidaturas

Barroso defende trabalho da imprensa no combate à desinformação
STF

Barroso defende trabalho da imprensa no combate à desinformação