Com aval de Alcolumbre, votação da Previdência no Senado é adiada para próxima semana

Sem consenso na Casa, a votação da reforma passou para a próxima terça (1º) na CCJ e, no mesmo dia, à tarde, no plenário

Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP)Presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Por decisão dos líderes do Senado, a votação da reforma da Previdência foi adiada para a próxima semana.

A previsão anterior era que a proposta fosse analisada pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) nesta terça-feira (24) e pelo plenário da Casa na quarta (25).
Mas senadores também querem cobrar a fatura para votar o principal projeto econômico do governo em tramitação no Congresso. Sem consenso na Casa, a votação da reforma passou para a próxima terça (1º) na CCJ e, no mesmo dia, à tarde, no plenário.

Leia também:
Alcolumbre critica ação da PF contra líder do governo e diz que Senado questionará STF
CCJ do Senado confirma sabatina de candidato à PGR para o dia 25
Silvio Costa Filho: “Acho que o Congresso errou"

A presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), disse que a decisão de adiamento teve o aval do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). "Fui voz vencida. Achávamos que [...] conseguiríamos votar a reforma da Previdência até 15h para não prejudicar [a sessão do] Congresso, mas houve uma determinação do presidente da Casa junto com os líderes e nós temos que acatar", afirmou Tebet.

Alcolumbre convocou uma sessão do Congresso para a tarde desta terça para votar os vetos à lei de abuso de autoridade, além de analisar um projeto que permite a liberação de emendas parlamentares para deputados que votaram a favor da reforma da Previdência.

Emendas são formas de um parlamentar destinar recursos para sua base eleitoral e foram negociadas com o Palácio do Planalto quando a proposta de reestruturação das regras de aposentadorias estava na Câmara. Senadores também querem o mesmo benefício e interlocutores do presidente Jair Bolsonaro analisam os pedidos do Senado.

Além disso, a operação da Polícia Federal que teve como alvo o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), por suposto recebimento de propina gerou um clima de instabilidade.

A ação da semana passada irritou Alcolumbre e líderes partidários criou um cenário de revanchismo às vésperas do primeiro teste da reforma no plenário do Senado. Eles se reúnem com o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, na manhã desta terça para discutirem a operação da Polícia Federal.

O presidente do Senado minimizou a decisão que tomou junto com os líderes à respeito da reforma da Previdência. Ele declarou que, apesar do atraso no calendário nesta semana, a previsão para concluir a votação do projeto no Senado continua no dia 10 de outubro.

Veja também

Trump dá indulto a ex-conselheiro que se disse culpado
internacional

Trump dá indulto a ex-conselheiro que se disse culpado

Grupo reúne empresários em SP para prestigiar governo Bolsonaro
brasil

Grupo reúne empresários em SP para prestigiar governo Bolsonaro