Congresso promulga emenda que permite acúmulo de cargo por militares

Um médico, por exemplo, pode exercer a atividade como militar e também como servidor civil em outros hospitais

Congresso Nacional Congresso Nacional  - Foto: Arquivo/ Agência Brasil

Em sessão solene do Congresso Nacional, foi promulgada nesta quarta-feira (3) a emenda constitucional que permitirá a militares acumularem o cargo com as funções de professor ou profissional da saúde. O benefício é estendido aos militares estaduais. Em todos os casos, os profissionais que acumulam cargos devem respeitar o teto de renumeração no serviço público. No caso da União, o teto é o salário de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) hoje em R$3 9,3 mil. No caso dos estados e do Distrito Federal, o limite é o salário do governador.

Ainda pela norma, em situações de acumulação com um cargo civil, o militar terá que dar prioridade à atividade no quartel. A mudança valerá para integrantes das polícias e do Corpo de Bombeiros militar dos estados e do Distrito Federal.

Leia também:
Toffoli articula no Congresso ante investida contra Supremo
Congresso promulga a Emenda Constitucional do Orçamento Impositivo


Antes da norma, a Constituição proibia a acumulação de cargos no serviço público. Algumas exceções são previstas: quando há compatibilidade de horários, servidores civis podem desempenhar dois cargos de professor; um cargo de professor com outro técnico ou científico; ou dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde.

Em 2014, a Emenda Constitucional 77 permitiu aos militares das Forças Armadas a acumulação de cargos da área de saúde. Um médico, por exemplo, pode exercer essa atividade como militar e também como servidor civil em outros hospitais.

Veja também

Juiz nega dados telefônicos de assessores de Flávio em apuração sobre vazamento
Justiça

Juiz nega dados telefônicos de assessores de Flávio em apuração sobre vazamento

Aliados ligam aprovação de Bolsonaro a ações na pandemia, e oposição diz que mérito é do Congresso
Política

Aliados ligam aprovação de Bolsonaro a ações na pandemia, e oposição diz que mérito é do Congresso