Contra vitimização de Lula, Temer pede silêncio de equipe ministerial

O receio do Planalto é de que um comentário elogioso à decisão do TRF possa ser usado pelo petista para fortalecer o discurso de que ele foi perseguido

Michel TemerMichel Temer - Foto: Evaristo SA / AFP

O presidente Michel Temer determinou à equipe ministerial que não faça comentários públicos sobre a manutenção da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta quarta-feira (24).

O receio do Palácio do Planalto é de que um comentário elogioso à decisão do TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região ou à defesa da independência do Poder Judiciário, mesmo que de forma genérica, possa ser usado pelo petista para fortalecer o discurso de que ele foi perseguido ou vitimizado.

Leia também:
Temer espera decisão final para se manifestar
Defesa de Lula pode recorrer de decisão do TRF4 que manteve condenação
Lula pode ser preso em pouco tempo, dizem criminalistas
Tribunal mantém condenação de Lula por unanimidade

Para evitar essa interpretação, o próprio presidente afirmou em entrevista à Folha de S.Paulo, na última quinta-feira (18), que preferia que o petista disputasse a eleição presidencial e não fosse impedido de se candidatar.

Seguindo a orientação do presidente, ministros e auxiliares evitaram comentar nesta quarta-feira (24) o resultado do julgamento. "Em relação ao ex-presidente, o governo não tem que opinar. É uma questão da Justiça e está sendo resolvida na Justiça", disse Carlos Marun (Secretaria de Governo).

Nas mesma linha, o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) manteve silêncio e o ministro Mendonça Filho (Educação) preferiu não se pronunciar.

Nos bastidores, no entanto, o presidente acredita que a dúvida sobre a candidatura do petista, que deve se estender até a véspera da eleição presidencial, deve quebrar a polarização entre direita e esquerda, apontada pelas pesquisas de intenções de voto.

O diagnóstico é de que, sem o petista na disputa, o campo da direita deve perder força e o principal afetado deve ser o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Nesse caso, a aposta é de que sairão fortalecidas candidaturas de centro, como as identificadas com a atual administração, como a de Geraldo Alckmin (PSDB) e de Rodrigo Maia (DEM).

Veja também

Câmara de Petrolina concederá título de cidadão petrolinense a Bolsonaro
blog da folha

Câmara de Petrolina concederá título de cidadão petrolinense a Bolsonaro

STF invalida uso de delação de Palocci divulgada por Moro em ação penal contra Lula
justiça

STF invalida uso de delação de Palocci divulgada por Moro em ação penal contra Lula