Editoras reagem a ato de censura promovido por Crivella na Bienal do Rio

Em comunicado divulgado à imprensa, a Companhia das Letras manifestou seu 'repúdio a todo e qualquer ato de censura'

Livro Vingadores - A Cruzada das CriançasLivro Vingadores - A Cruzada das Crianças - Foto: Divulgação/Marvel

Diversas editoras de livros brasileiras estão se manifestando nesta sexta (6) contra o anúncio do prefeito do Rio da Janeiro, Marcelo Crivella, de que censuraria exemplares do gibi "Vingadores - A Cruzada das Crianças", expostos na Bienal do Rio, por conterem imagens de um beijo gay.

Acompanhados pelo subsecretário de operações da Secretaria Municipal de Ordem Pública, o coronel Wolney Dias, fiscais visitaram a feira para verificar a denúncia de que livros impróprios para menores de idade estariam à venda.

Poucas horas após a determinação, editoras foram às redes sociais protestar. Em comunicado divulgado à imprensa e publicado também na internet, a Companhia das Letras manifestou seu "repúdio a todo e qualquer ato de censura" e se posicionou "à favor da liberdade de expressão".

Leia também:
Marcelo Crivella manda censurar gibis dos Vingadores na Bienal do Livro, no Rio
Elza Soares e Martinho da Vila divertem público da Bienal no Rio


"Posturas como a do prefeito Marcelo Crivella e do governador João Doria -que recentemente mandou recolher uma apostila escolar que falava sobre diversidade sexual- tentam colocar a sociedade brasileira em tempos medievais, quando as pessoas não tinham a liberdade de expressar suas identidades. Eles desprezam valores fundamentais da sociedade e tentam impedir o acesso à informação séria, que habilita os jovens a entrar na fase adulta mais preparados para uma vida feliz", assina o fundador da empresa, Luiz Schwarcz.

A Galera Record, selo do Grupo Editorial Record, publicou uma foto com diversos livros de temática LGBT distribuídos por ela, como o vencedor do Pullitzer "As Desventuras de Arthur Less". "Homofobia é crime e acreditamos que o papel do Estado é incentivar a leitura e não criar barreiras que marginalizem uma parcela da população que já sofre com a intolerância", diz a nota

"Nossos livros estão à venda no estande e em todas as livrarias brasileiras, online e físicas. Vamos continuar lutando para que todos os jovens se vejam representados em nossas histórias."

De forma semelhante, a Intrínseca compartilhou imagens de livros de seu catálogo, como "Me Chame pelo Seu Nome", "Com Amor, Simon" e "E Se Fosse a Gente?".

"Em um mundo que nega nossa existência, os livros nos mostram a beleza de ser quem somos", diz a publicação.

A Todavia escreveu que continuará "publicando e vendendo livros que exprimem nossa visão plural de mundo e do Brasil, direito esse amparado pela Constituição".

Dedicada ao público infantojuvenil, a Plataforma 21 diz que "a arte está sob ataque" e que "os livros e a literatura são a mais valiosa arma para vencer preconceitos e acabar com a desinformação". Já a Quimera Produções Literárias compartilhou imagem na qual se lê "aqui não acreditamos em censura".

Veja também

Nena Cabral quer construir três novas unidades de saúde no Paulista
Eleições 2020

Nena Cabral quer construir três novas unidades de saúde no Paulista

Carlos quer explorar potencial turístico dos mercados públicos do Recife
Eleições 2020

Carlos quer explorar potencial turístico dos mercados públicos do Recife