Eficiência de intervenção no Rio é colocada em xeque com morte de vereadora

A repercussão nacional e internacional aumentou a pressão sobre medida, que completa um mês nesta sexta-feira (16)

Enterro da vereadora Marielle FrancoEnterro da vereadora Marielle Franco - Foto: Agência Brasil

Os tiros que tiraram as vidas da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, na última quarta-feira (14), na Zona Norte do Rio de Janeiro, ecoaram em forma de grito por Justiça nas mais de 20 manifestações realizadas na última quinta-feira (15) no país. Foram realizados atos também em Buenos Aires, Montevidéu, Lisboa, Berlim, Londres, Amsterdã e Nova York. Os estilhaços atingiram a intervenção federal no Rio de Janeiro, que completa um mês nesta sexta-feira (16). A repercussão nacional e internacional aumentou a pressão sobre os interventores e encurralou os militares do Exército responsáveis pela medida. O governo quer resultado.

Em entrevista no Rio, o ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, disse que vai acompanhar pessoalmente as investigações e que os responsáveis pelo crime “bárbaro” serão encontrados e punidos a qualquer custo.

Leia também:
Marielle Franco é sepultada sob aplausos e gritos de protesto no Rio
[Galeria] Veja momentos do ato em homenagem a Marielle Franco no Recife


Para Keka Bagno, do Diretório Nacional do PSOL, a morte de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes está relacionada à disputa entre milícias e a intervenção federal e teria sido uma execução. A dirigente afirma que o partido quer a participação dos governos do Rio de Janeiro e federal para que haja respostas efetivas sobre o crime, que segundo ela, teve conotação política

 “Marielle mexeu nas estruturas. Este foi um recado para que as mulheres negras dêem passos atrás. Mas a gente vai se organizar mais, inclusive para disputar eleições e mostrar que este espaço é nosso por direito”, disse.

Veja também

"Acho perigoso chamar críticos de detratores", diz jornalista pernambucano citado em lista polêmica
Governo Federal

"Acho perigoso chamar críticos de detratores", diz jornalista pernambucano citado em lista polêmica

Humberto elogia campanha de Marília e diz que urnas colocaram PT como oposição a João Campos
PT x PSB

Humberto elogia campanha de Marília e diz que urnas colocaram PT como oposição a João Campos