Empresário de obra em sítio diz a Moro que recebeu de ex-assessor de Lula

Segundo a acusação, o ex-presidente se beneficiou de R$ 1,02 milhão em benfeitorias no imóvel, que era frequentado por Lula e seus familiares

Ex-presidente Lula durante ato na ParaíbaEx-presidente Lula durante ato na Paraíba - Foto: Ricardo Stuckert / Fotos Públicas

O empresário Carlos Rodrigues do Prado disse nesta segunda-feira (19) ao juiz Sergio Moro que foi pago em espécie por Rogério Aurélio Pimentel, ex-assessor do ex-presidente Lula, pelos serviços prestados na obra do sítio em Atibaia (SP).

Ele prestou depoimento como testemunha de acusação na ação penal que investiga se Lula se beneficiou de R$ 1,02 milhão em benfeitorias no sítio, que teriam sido pagas pelas construtoras Odebrecht e OAS.

Leia também:
Tríplex atribuído a Lula vale R$ 2,2 mi e tem fogão e geladeira desligados, diz perícia de Moro
Delatores dizem desconhecer obras em sítio em Atibaia


Prado já havia feito a mesma afirmação à Folha de S.Paulo, em março de 2016. Nesta segunda, ele disse que recebeu mais de R$ 100 mil em espécie, em quatro vezes, dentro de um envelope. O pacote, segundo o empresário, era entregue por Aurélio em um posto de gasolina.

Ele também afirmou que repassou o orçamento da obra para o ex-assessor, antes do início dos serviços. Prado disse que marcou de encontrar no posto de gasolina Frederico Barbosa, ex-engenheiro da Odebrecht, que o contatou para realizar o trabalho. Chegando lá, segundo o empresário, Frederico estava acompanhado de Aurélio e afirmou: "o dono da obra é este aqui". Foi então que Prado teria entregue o orçamento para o ex-assessor e começado os serviços.

O empresário disse a Moro, ainda, que Emyr Costa, engenheiro da Odebrecht, pediu que a nota fiscal da obra fosse emitida em nome do empresário Fernando Bittar, um dos proprietários oficiais do imóvel. Para o Ministério Público, entretanto, Lula era o verdadeiro dono do sítio.

No dia 7 de fevereiro, em depoimento a Moro, Frederico Barbosa afirmou que Aurélio tinha todo o poder de decisão sobre a obra. Ele também disse que não sabia como havia sido realizado o pagamento da empresa de Prado.

Relembre o caso
No processo que envolve o sítio, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro. Segundo a acusação, o ex-presidente se beneficiou de R$ 1,02 milhão em benfeitorias no imóvel, que era frequentado por Lula e seus familiares. As reformas teriam sido pagas pelas empreiteiras Odebrecht e OAS.

De acordo com a Procuradoria, os valores usados nas reformas teriam vindo de contratos das empreiteiras na Petrobras, e repassados como vantagem ilícita ao ex-presidente. Lula também teria pedido R$ 150.500 ao pecuarista José Carlos Bumlai, seu amigo, para que fossem realizadas reformas no sítio.

Em setembro de 2016, Moro condenou Bumlai por ter adquirido em 2004 um empréstimo de R$ 12 milhões com o grupo Schahin em nome do PT. A dívida, segundo a acusação, foi quitada posteriormente por meio do contrato de operação do navio-sonda Vitória 10.000.

Uma reportagem da Folha de S.Paulo, em janeiro de 2016, revelou que a Odebrecht realizou a maior parte das obras no sítio, gastando R$ 500 mil apenas em materiais. Para a Procuradoria, o sítio, que está em nome dos empresários Fernando Bittar e Jonas Suassuna, pertencia, na realidade, a Lula, "proprietário de fato" do local, e foi comprado em seu benefício.

Entre as provas mencionadas pelos procuradores, estão e-mails enviados a endereços do Instituto Lula, que citam cardápios de almoço no sítio e viagens do petista a Atibaia.

Outro lado
A defesa de Lula tem afirmado que o ex-presidente não é proprietário do sítio e que o petista e familiares frequentaram o local como convidados da família do empresário Fernando Bittar, "em razão de uma amizade de mais de 40 anos".

Veja também

Candidatura do Cacique Marquinhos em Pesqueira segue indeferida após TRE-PE negar embargos
Eleições 2020

Candidatura do Cacique Marquinhos em Pesqueira segue indeferida após TRE-PE negar embargos

TSE nega que haja multa para justificativa de ausência via aplicativo
eleições

TSE nega que haja multa para justificativa de ausência via aplicativo