Feliciano rebate Sheherazade e defende afastar Mourão em nome de estabilidade

Apresentadora afirmou, em entrevista à Folha de S.Paulo, que o 'pedido de impeachment não tem respaldo político nem legal. Não passa de mais um factoide para agitar militância, criando uma falaciosa conspiração do vice'

Deputado Marco FelicianoDeputado Marco Feliciano - Foto: Reprodução/Internet

O deputado federal Marco Feliciano (Podemos-SP) respondeu a críticas da jornalista Rachel Sheherazade e defendeu nessa segunda-feira (22) o pedido que fez para afastar do cargo o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão (PRTB). Figura de proa na bancada evangélica, o parlamentar disse que a medida tem como objetivo assegurar "a estabilidade das instituições e as reformas estruturais".

A apresentadora do SBT afirmou, em entrevista à Folha de S.Paulo, que o "pedido de impeachment não tem respaldo político nem legal. Não passa de mais um factoide para agitar militância, criando uma falaciosa conspiração do vice".

Sheherazade foi envolvida no caso porque o parlamentar usou como base para pedir o impeachment o fato de o vice ter curtido uma mensagem dela no Twitter com conteúdo elogioso a si próprio e crítico ao presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Leia também:
Ministro do STF arquiva inquérito contra deputado Marco Feliciano
Feliciano defende tramitação do projeto ‘cura gay’


Na mensagem, do último dia 8, a jornalista deu parabéns a Mourão "pela lucidez" em uma palestra na Universidade Harvard, nos Estados Unidos.
"Finalmente um representante do governo não nos causa vergonha alheia. Muito pelo contrário: o vice mostrou como ele e o presidente são diferentes: um é o vinho, o outro vinagre", escreveu na rede social.

No pedido de impeachment, Feliciano apresenta outras evidências a título de comprovar que o vice age com deslealdade perante o presidente, como "críticas e contraditas" feitas em público que colidem com posicionamentos do titular do Planalto.

A principal tese do parlamentar é que Mourão conspira contra Bolsonaro.
Sheherazade disse que "o deputado parece desconhecer a Constituição e as leis do país", já que o fato de Mourão dar like na postagem nem de longe seria suficiente para justificar o afastamento.

O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente, também usou a manifestação de Mourão no post de Sheherazade para criticar as movimentações do vice.

"Tirem suas conclusões: e tem muito mais.... não se atente tanto no que a pessoa diz, mas em quem curtiu!", disse ele em rede social.

Em nota enviada à reportagem, Feliciano afirmou que não entrou com o pedido "baseado unicamente na chancela que o senhor Hamilton Mourão deu a comentários extremamente negativos ao presidente" publicados pela apresentadora. "A denúncia tem 13 páginas descrevendo detalhadamente inúmeras condutas desleais do senhor Mourão para com o presidente Bolsonaro e para com a instituição Presidência da República", continuou ele.

Segundo o deputado, "a principal dessas condutas desleais foi o fato de Mourão ter aceitado convite para palestrar em uma instituição estrangeira, na capital dos Estados Unidos, e no convite para tal palestra o mesmo ser louvado como o homem capaz de guiar o Brasil tanto na agenda doméstica como na externa, ou seja, colocando Mourão como alguém melhor para presidir o país".

Em resposta aos comentários de Sheherazade, Feliciano escreveu: "Bem se percebe a falta de cultura jurídica da referida jornalista, que afirmou que a 'curtida' dada pelo vice-presidente na sua postagem seria um 'nada jurídico'. Ora, qualquer aluno do primeiro ano do curso de direito bem sabe que o objeto da ciência jurídica é justamente a conduta humana, inclusive em redes sociais".

Feliciano também contestou a afirmação da jornalista de que os cidadãos não pagam o salário do deputado para ele "ser vigia de redes sociais".

O político disse que estava, sim, fazendo jus ao seu salário, "visto ser missão constitucional dos parlamentares a fiscalização dos atos do Poder Executivo".
"Gostaria de ressaltar que não pedi o impeachment do vice-presidente na defesa do cidadão Jair Bolsonaro, mas, sim, defendendo a estabilidade das instituições e as reformas estruturais", afirmou Feliciano, que é vice-líder do governo no Congresso e presidente da Comissão de Desenvolvimento Urbano.

Ele acrescentou que "as contraditas públicas do vice-presidente em relação ao presidente da República, feitas de forma pública e quase que diariamente, estavam minando a autoridade presidencial e gerando instabilidade política, o que é ruim para o país e ruim para as reformas".

Mourão tem reagido com tranquilidade ao pedido. Instado por repórteres na semana passada, buscou minimizar o caso. "Isso aí é bobagem. Se prosperar, eu volto para a praia", disse o general.

Feliciano, em entrevista à coluna Mônica Bergamo, sugeriu que a petição é mais para dar um susto no vice do que para efetivamente derrubá-lo. "Não é um tiro para matar. É um tiro para o alto", comparou.

O escritor Olavo de Carvalho incentivou o deputado a apresentar o pedido, com o argumento de que seria preciso blindar o presidente Bolsonaro, que não estaria "conseguindo governar".

Veja também

STF invalida uso de delação de Palocci divulgada por Moro em ação penal contra Lula
justiça

STF invalida uso de delação de Palocci divulgada por Moro em ação penal contra Lula

Jorge Oliveira, da Secretaria-Geral, é o oitavo ministro de Bolsonaro com Covid-19
Coronavírus

Jorge Oliveira é o oitavo ministro de Bolsonaro com Covid-19