Gilmar Mendes defende posição 'mais firme' da União na segurança

De acordo com o ministro, a União tem ferramentas na área da segurança que não estão disponíveis aos governos estaduais

Ministro Gilmar Mendes, do STFMinistro Gilmar Mendes, do STF - Foto: Reprodução

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes defendeu nesta segunda-feira (19) uma ação "mais firme" por parte do governo federal na questão da segurança pública.

A afirmação foi feita na saída do 2º Encontro Folha de Jornalismo, em comemoração do 97º aniversário do jornal e do lançamento do novo Manual da Redação. Mendes se manifestou ao ser perguntado se a intervenção federal na segurança pública do Rio, decretada na última sexta-feira (16) pelo presidente Michel Temer (MDB), poderia se repetir em outros Estados.

"O crime hoje não é local. Ou ele é estadual, ou ele é regional, ou ele é internacional. Nós precisamos discutir isso de maneira bastante aberta. E é saudável a União ter entrado nesse debate de maneira mais firme", afirmou Mendes.
 
De acordo com o ministro, a União tem ferramentas na área da segurança que não estão disponíveis aos governos estaduais. "A União não pode dizer simplesmente que o problema é dos Estados. É a União que zela pela fronteira, que tem a Polícia Federal, que tem o Exército, tem as Forças Armadas. Portanto, é preciso que haja uma integração", afirmou.

Mendes afirmou ainda que é preciso que o judiciário e o Ministério Público tenham mais integração na discussão a respeito do tema. "Acho que é o momento de a gente discutir de fato um novo modelo de segurança pública que envolva todas essas entidades. Acho que é importante a pensata em torno de um Ministério da Segurança Pública e a necessidade de que nós tenhamos de fato um enfoque nesta questão", afirma.

Fontes
Durante o evento da Folha de S.Paulo, Mendes discorreu sobre "distorções" na relação entre fontes e jornalistas. Em sua fala, teceu críticas ao vazamento de informações à imprensa.

"O que é verdade, Gilmar? Quem é que sabe. Você não vai exigir que a apuração jornalística seja igual à apuração policial ou judicial. E eu reconheço que os senhores, até mais do que os juízes, são suscetíveis de cometerem erros. Por uma má informacao, por aquilo que acreditaram que era correto e depois não se confirmou. Mas quando há erros é preciso corrigi-los e dizer, em alto e bom som, nós erramos", afirmou.

Veja também

PSOL não renega origem radical, mas amadureceu, diz presidente nacional do partido
Entrevista

PSOL não renega origem radical, mas amadureceu, diz presidente nacional do partido

De patriotismo a pedagogia cívica, veja críticas e defesas do voto obrigatório
Eleições

De patriotismo a pedagogia cívica, veja críticas e defesas do voto obrigatório