Governo recua e edita regras mais duras sobre trabalho escravo

O novo texto define "jornada exaustiva" como uma forma de trabalho que acarrete na violação do direito à segurança, saúde, descanso e convívio familiar e social

O novo texto define "jornada exaustiva" como uma forma de trabalho que acarrete na violação do direito à segurança, saúde, descanso e convívio familiar e socialO novo texto define "jornada exaustiva" como uma forma de trabalho que acarrete na violação do direito à segurança, saúde, descanso e convívio familiar e social - Foto: Pixabay

O Ministério do Trabalho recuou e publicou uma nova portaria nesta sexta-feira (29) que estabelece regras mais duras para a fiscalização do trabalho análogo à escravidão no país. Em seu último ato à frente da pasta, o ministro Ronaldo Nogueira ampliou as situações em que empregadores podem ser punidos por submeter trabalhadores a condições degradantes e jornadas exaustivas.

A nova portaria reverte mudanças polêmicas que haviam sido feitas em 16 de outubro, quando o ministério publicou regras que alteravam as definições de "jornada exaustiva" e de "condição análoga à de escravo". As regras criadas pelo texto anterior restringiram as situações em que empregadores seriam punidos e declarava que essa situação só ocorreria, por exemplo, quando os trabalhadores fossem mantidos em cárcere privado por homens armados.

Leia também:
Raquel Dodge pede prisão contra trabalho escravo e chama portaria de retrocesso
Ações de combate ao trabalho escravo e infantil vão continuar, garante ministro


Com a nova portaria, essas definições ficaram mais amplas. O texto define "jornada exaustiva" como uma forma de trabalho que "acarrete violação de direito fundamental do trabalhador, notadamente os relacionados a segurança, saúde, descanso e convívio familiar e social".

Segundo o texto publicado nesta sexta-feira, empregadores podem ser incluídos na chamada "lista suja" em caso de violação de um ou mais critérios de jornada exaustiva, trabalho forçado, restrição do direito de ir e vir ou vigilância ostensiva no local de trabalho. A portaria desta sexta também retirou a exigência de autorização do ministro do Trabalho para a publicação da "lista suja", para divulgar os nomes dos empregadores autuados por manter funcionários em condições de escravidão.

Histórico

A flexibilização das regras de fiscalização do trabalho escravo, em outubro, foi o episódio mais polêmico da gestão de Ronaldo Nogueira à frente da pasta. Ele pediu demissão para preparar sua campanha à reeleição como deputado federal. Sua exoneração foi publicada nesta sexta-feira no Diário Oficial da União.

A portaria que mudou as regras provocou reação do Ministério Público. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu a revogação do texto e a modificação das regras.O governo resistiu em fazer a mudança, uma vez que a portaria era uma exigência da bancada ruralista no Congresso, que criticava as regras de fiscalização.

Na ocasião, o presidente Michel Temer queria evitar um confronto com esses parlamentares, uma vez que precisava de apoio em massa na Câmara para barrar a segunda denúncia apresentada contra ele pela PGR (Procuradoria-Geral da República).

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), chegou a conceder uma liminar (decisão provisória) para suspender os efeitos da portaria. Segundo ela, o texto tinha "como provável efeito prático a ampliação do lapso temporal durante o qual ainda persistirá aberta no Brasil a chaga do trabalho escravo".

Em seguida, o Ministério do Trabalho informou, por meio de nota, que Nogueira já havia decidido aceitar as sugestões da Procuradoria-Geral da República e "aprimorar" o texto para "aliar segurança jurídica ao primado da dignidade da pessoa humana".

Veja também

Secretário Municipal de Educação de SP é diagnosticado com Covid-19 após encontro com Doria
Coronavírus

Secretário Municipal de Educação de SP é diagnosticado com Covid-19 após encontro com Doria

José Serra: Lava Jato pede que Justiça retome tramitação de ação
justiça

José Serra: Lava Jato pede que Justiça retome tramitação de ação